Pitinga - Uma Das Áreas De Pesca Da Cidade

Nesta localidade chamada Pitinga, concentra-se um dos maiores Manguezais da cidade de Candeias, pois, é daqui que muitas famílias tiram o seu sustento, na pesca e na caça, mas, muitas pessoas usam a pesca como um lazer, e uma distração do dia-a-dia. Aqui existem uma diversidade de frutos do mar, tais como: sirí, caranguejo, camarão, ostra, rala côco, peixe de várias espécies, e outros mariscos. Apesar de muitos produtos químicos terem sido derramados pela redondeza dos manguezais de Candeias, pelos navios e fábricas que se instalaram no município, ainda existe uma boa quantidade dessas espécies. Preservem Essa área!
Por volta dos anos de, 1960 / 1970, essa área era ocupada por moradores que, hoje residem no centro e bairros de Candeias, principalmente o bairro do Malembá, e Mata cavalo. As Famílias que residiam nessa localidade eram "esquecidas pelas autoridades da cidade", mas talvez pelo fato de a Petrobras ter dado assistência e auxílio aos moradores dessa região, pois, muitos que sentiam a necessidade de transportes para irem a lugares mais distantes, como assistência médica, compras ou colégio, a Petrobras disponibilizavam seus transportes para o socorro imediato, mas, alguns também optavam para o transporte que rodava de Passé para o Centro de Candeias, muita das vezes quando não achavam o transporte gratuito da Petrobras.


A Maioria dos moradores que residiu na Pitinga, hoje residem na rua do poço, no bairro Malembá,  e os moradores desse local tinha diversas fontes naturais, bicas e minadores, de onde abastecia os seus garrafões e baldes para o consumo da água potável, inclusive nessa época, a Petrobras criou uma bica artificial para os moradores terem mais água disponível, O povo também plantava uma variedade de frutas, e também a mandioca para a fabricação de farinha, pois, no local eram bem visíveis as casas de farinha, que hoje já não existem nem mais as ruínas. plantações de frutas tais como: banana, goiaba, cajá, jenipapo e outras, as quais eram catadas pelos moradores da região, e passava assim, para os vendedores interessados, que descia para a capital Salvador, e lá, vendiam toda a colheita feita pelos moradores, repartindo assim, o dinheiro com os mesmos que ajudavam a colher.
Falando de saúde, no local da Pitinga quando as pessoas sentiam a necessidade de procurar um médico para auxílio, desciam para um lugar chamado campo, que ficava perto da região, e chegando nesse local chamado Campo, havia um mini posto de saúde que atendia a população carente local.
Por volta do ano de 1972, a Petrobras resolveu indenizar as famílias do local por causa da descoberta de novos poços de petróleo na região, e com isso, os moradores reuniu-se para catar as mandiocas dos pés urgentemente, para não perder a safra, pois a Petrobras mandaria passar diversas maquinas para aplanar o lugar, e foram sacos e mais sacos de farinha trazidos da região da Pitinga para a rua do poço no Malembá pelos moradores atuais, sendo que, alguns deles, já faleceram.
Nessa imagem, o local da Pitinga conhecido como Manguezal dos três tubos, Local nomeado pelos próprios moradores da cidade, e  é Um Manguezal que fica na parte central da Pitinga, muito rico em frutos do mar, principalmente o caranguejo e o siri de mangue, que é muito extraído desse manguezal pelos vendedores de caranguejo da região. são quilômetros dessas pequenas árvores que chamamos de manguezal e ao seu pé uma lama, onde vivem diversos tipos de mariscos, e tem dado muitos frutos para nós Moradores. Aqui vivem os caranguejo, siri, ostra, sururu, guaiamum, aratu e outros mariscos. Esse canal é bastante estreito, que atravessando, damos de cara com a região do Coqueiro Grande, Região pertencente à cidade de São Francisco do Conde,  junto a Refinaria Landulpho Alves, onde também há uma grande área que serve de pesca para os marisqueiro da cidade de Candeias e São Francisco do Conde, Fica bem próximo ao portão 3 da Refinaria, e aqui existia uma pequena vila de pescadores e marisqueiros, foi quando a petrobras resolveu indenizar a todos os moradores, ocorrendo esse fato por volta dos anos 80, deixando a área livre para crescimento e extensão da Refinaria Landulpho Alves. No momento da fotografia, o canal encontrava-se bastante seco por causa da vazante da maré, sendo uma boa oportunidade para os pescadores e marisqueiros atravessarem o canal a pé. Muitos dos catadores de caranguejo que comercializam na curva do bombeiro (Estrada Candeias / Madre de Deus), retiram a pesca desse lugar, e aqueles também que residem no bairro do Malembá, por motivo dessa área ficar mais próximo ao bairro. Na Próxima imagem, o local que se atracava uma Balsa que transportava carros para outras localidades.

7 comentários:

  1. Pitinga, Manguezal muito bonito, e área excelente para pesca.

    ResponderExcluir
  2. Gostaria de saber Notícias do se liga Bocão em Candeias.

    ResponderExcluir
  3. Para saber Notícias do Programa Se Liga Bocão Acesse o seguinte link: http://www.itapoanonline.com/portal/tv/seligabocao/

    ResponderExcluir
  4. Eu custumava me divertir muito nesses lugares quando eu era criança, candeias é simplesmente uma linda cidade que ainda possui muitos recursos naturais e belos.

    ResponderExcluir
  5. http://commondatastorage.googleapis.com/static.panoramio.com/photos/original/35941235.jpg

    ResponderExcluir
  6. Evitar oxidação anzóis

    Ao abrirmos uma embalagem com anzóis novos inicia-se o processo de oxidação. O melhor processo para evitar a oxidação e consequente deterioração, seria colocar novamente os anzóis no vácuo evitando assim que o oxigénio reaja com o material do anzol. Um processo simples e eficaz é, embrulhar os anzóis com papel de alumínio normalmente usada nas cozinhas, o alumínio cria uma camada exterior oxidada (alumina) e termina o processo após esssa camada, protegendo os anzóis no seu interior. Mesmo por períodos relativamente curtos de exposição ao ar, expecialmente a barbela (bico) do anzol, fica oxidado perdendo a sua resistência (parte com mais facilidade) e fica menos afiado (maior dificuldade em capturar a presa).


    Pesca e a temperatura da água.

    Os peixes são pecilotérmicos (a temperatura do corpo varia em função da temperatura ambiente), variações de temperatura na água (mesmo que reduzidas) podem afastar o peixe para zonas em que se sintam mais confortáveis. Os receptores de temperatura, na superfície corporal dos peixes, geralmente detectam diferenças de temperatura na ordem de 0,1ºC a 0,03ºC. Quando a temperatura da água diminui, algumas espécies param simplesmente de se alimentar reduzindo a actividade corporal (nadam menos, ficam algumas vezes num estado semi-consciência, não se alimentam). Uma das formas que os peixes têm de contrariar esta variação de temperatura é descendo ou subindo em profundidade. A temperatura da água difere bastante da temperatura ambiente, da proximidade e tipo de costa. Será o termometro uma ferramenta indispensável ? O conhecimento da espécie e dos seus hábitos é fundamental, a experiência do pescador ensina-o que em determinadas águas existe uma espécie ou outra, mas nenhum de nós tem a noção da temperatura da água a 20 metros de profundidade, saber a temperatura da água torna-se uma ferramenta útil na definição do pesqueiro e da espécie a capturar evitando duas ou três horas de pesca em determinado local que, pela temperatura da água, aquela espécie não pode estar. A temperatura da água, na generalidade dos casos, diminui quando a profundidade aumenta. Grandes massas de água (barragens, lagos) apresentam estratificação, com camadas que possuem diferentes temperaturas e níveis de oxigénio dissolvido implicando uma distribuição diferenciada de espécies em profundidade. Existem peixes que se sentem melhor em águas mais frias (truta 15 a 17ºC), outros de espécies tropicais e sub-tropicais em águas bastante mais quentes (Dourado 25ºC, Pácu 26 ºC) e ainda outros em que a margem de conforto térmico é mais ampla (achigã=black-bass, corvina).

    A temperatura à superfície

    A temperatura da água é influenciada pelo sol ao incidir directamente, por zonas de contacto próximas, rochas que absorveram energia solar durante o dia, por entrada de águas interiores (foz dos rios), por águas paradas (baías, enseadas). As zonas de encontro entre águas de diferentes temperaturas, são zonas onde é comum existir peixe, a explicação base é a de que nestas zonas existe uma zona próxima em que a temperatura de conforto é a mais adequada. Locais com rochas meio submersas, locais com enseadas, zonas de foz, saídas de portos de abrigo são normalmente localizações ideiais para pesca junto à superfície.


    Ler mais: http://pescadomar.webnode.pt/truques-e-dicas/

    ResponderExcluir
  7. Tirar cheiro da Sardinha

    Para tirar o cheira das sardinhas nas mãos basta esfregar com um pouco de pastas de dentes.


    Truque para lançar sem danificar a isca

    Todos sabemos que iscar teagem, minhoca da lama, coreano ou outros anelideos com lançamentos fortes é complicado, o impacto do lançamento e a queda do isco na água, pode danificar de uma forma irremediável o isco destruindo a capacidade do isco ser relevante para o peixe.
    Um truque muito simples é utilizar guardanapos finos e depois de concluída a colocação do isco, embrulhar num guardanapo sem fazer pressão na iscada, torcendo-se o guardanapo junto ao empate no anzol, criando assim uma protecção para o isco. Ao executar o lançamento o isco não cai do anzol e ao cair na água não se desfaz ficando

    o isco em boas condições.


    Retirar Brilho Chumbadas
    Muitas vezes compramos chumbos ou chumbadas que por serem novos estão demasiado brilhantes. Um processo simples de retirar o brilho é mergulhar os chumbos ou chumbadas numa solução de vinagre durante várias horas.

    Congelar Casulo
    Congelar o casulo em água do mar ou mesmo saturada de sal, depois ao utilizar ele fica mais rijo e brilhante.

    ResponderExcluir