Pescadores soltam bomba no mar em pleno feriado de 2 de fevereiro

Em pleno feriado do dia 2 de fevereiro de 2020, falsos pescadores exercem a prática de soltar explosivos no mar na captura de peixes, na baía de todos-os-santos. A pesca com bombas vem sendo atuada de forma frequente na região, e dificilmente vem sendo detida pelos órgãos ambientais. Moradores da ilha de Itaparica reclamam do ato absurdo que vem provocando o desequilíbrio na fauna marinha. "Os estrondos são estrondosos a ponto de provocar rachaduras em nossas residências", afirmou um dos pescadores nativos da ilha. Animais marinhos aparecem mortos com frequência na localidade devido às explosões, que também acaba provocando a morte de corais.
Ano passado, moradores da Baía de Aratu também denunciaram a prática de pesca com bomba que vem acontecendo com frequência na região. Um nativo no enviou um vídeo mostrando a situação de como ficou a beira da Prainha da Boca do Rio, localidade de Candeias, onde dezenas de peixes apareceram mortos na beira da praia chamando a atenção dos banhistas que ficaram chocados com o absurdo. Nesse dia, o caso foi denunciado ao COPPA (Companhia da Polícia de Proteção Ambiental) e ao INEMA (Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos), quando pescadores e banhistas aguardavam por providências. 
A pesca com bomba é uma atividade ilegal e, para pescadores que praticam tais atividades, os mesmos podem sofrer penalidades e terem suas embarcações apreendidas, já que a detonação com bomba é violentíssima e acaba comprometendo, não somente peixes, mas tartarugas, corais, e toda forma de vida marinha, principalmente àquelas que estão em fase juvenil, assim como residência também podem ser afetadas com rachaduras. A coleta de peixes com o uso de explosivos é uma atividade ilegal, prevista na Lei 9.605/98 (capítulo V, artigo 35, inciso II), que dispõe sobre crimes ambientais. Acompanhem o vídeo divulgado ano passado, dia 28 de fevereiro de 2020 onde mostra um pescador revoltado com a situação que ocorreu na Baía de Aratu, em Candeias.

Postar um comentário