05 de Junho de 2019 - Dia Mundial do Meio Ambiente

O Dia Mundial do Meio Ambiente foi estabelecido na conhecida Conferência de Estocolmo e passou a ser comemorado todo dia 05 de junho.
Em 1972, durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, em Estocolmo, a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu o Dia Mundial do Meio Ambiente, que passou a ser comemorado todo dia 05 de junho. Essa data, que foi escolhida para coincidir com a data de realização dessa conferência, tem como objetivo principal chamar a atenção de todas as esferas da população para os problemas ambientais e para a importância da preservação dos recursos naturais, que até então eram considerados, por muitos, inesgotáveis.
Nessa Conferência, que ficou conhecida como Conferência de Estocolmo, iniciou-se uma mudança no modo de ver e tratar as questões ambientais ao redor do mundo, além de serem estabelecidos princípios para orientar a política ambiental em todo o planeta. Apesar do grande avanço que a Conferência representou, não podemos afirmar, no entanto, que todos os problemas foram resolvidos a partir daí.
Atualmente existe uma grande preocupação em torno do meio ambiente e dos impactos negativos da ação do homem sobre ele. A destruição constante de habitat e a poluição de grandes áreas, por exemplo, são alguns dos pontos que exercem maior influência na sobrevivência de diversas espécies.
Tendo em vista o acentuado crescimento dos problemas ambientais, muitos pontos merecem ser revistos tanto pelos governantes quanto pela população para que os impactos sejam diminuídos. Se nada for feito, o consumo exagerado dos recursos e a perda constante de biodiversidade poderão alterar consideravelmente o modo como vivemos atualmente, comprometendo, inclusive, nossa sobrevivência.
Dentre os principais problemas que afetam o meio ambiente, podemos destacar o descarte inadequado de lixo, a falta de coleta seletiva e de projetos de reciclagem, consumo exagerado de recursos naturais, desmatamento, inserção de espécies exóticas, uso de combustíveis fósseis, desperdício de água e esgotamento do solo. Esses problemas e outros poderiam ser evitados se os governantes e a população se conscientizassem da importância do uso correto e moderado dos nossos recursos naturais.
Em razão da importância da conscientização e da dimensão do impacto gerado pelo homem, o Dia Mundial do Meio Ambiente é uma data que merece bastante destaque no calendário mundial. Entretanto, não basta apenas plantar uma árvore ou separar o lixo nesse dia, é necessário que sejam feitas campanhas de grande impacto que mostrem a necessidade de mudanças imediatas nos nossos hábitos de vida diários.
Apesar de muitos acreditarem que a mudança deve acontecer em escala mundial e que apenas uma pessoa não consegue mudar o mundo, é fundamental que cada um faça a sua parte e que toda a sociedade reivindique o cumprimento das leis ambientais. Todos devemos assumir uma postura de responsabilidade ambiental, pois só assim conseguiremos mudar o quadro atual.
“A proteção e o melhoramento do meio ambiente humano é uma questão fundamental que afeta o bem-estar dos povos e o desenvolvimento econômico do mundo inteiro, um desejo urgente dos povos de todo o mundo e um dever de todos os governos.”
(Declaração de Estocolmo sobre o ambiente humano - 1972)
Por Ma. Vanessa dos Santos
Efeitos do Excesso de indústrias Químicas No Município de Candeias
Falar em meio ambiente no município de candeias tem se tornado a cada dia uma das tarefas mais difíceis. A população que reside nesse município, uma quantidade de mais ou menos 100.000 habitantes que nasceram depois do ano de 1960, se desenvolveram em volta das indústrias químicas que vieram se instalando no município mudando de forma trágica a rotina dos moradores, comprometendo a qualidade do ar, do solo e das águas, como a exemplo da primeira petroquímica da Bahia, a Companhia de Carbonos Coloidais (CCC), conhecida como uma das maiores poluidoras ambientais de Candeias nas décadas de 60, 70, 80, e encerrou as suas atividades em Março de 1990. 
A situação do meio ambiente não tem comovido nem um pouco as autoridades políticas do município. Numa localidade como Candeias, que está circundada de indústrias químicas, o número de plantas e árvores nativas vem diminuindo a cada dia devido ao desmatamento e queimadas provocado por alguns vândalos de forma perversa não mostrando nenhum sentimento de piedade pelo verde, onde grande parte dessas queimadas vem acontecendo nas partes mais arborizadas do município, que hoje encontra-se em estado de emergência necessitando de um urgente reflorestamento afim de manter o equilíbrio ecológico promovendo a qualidade do ar que vem sendo contaminado dia após dia num município que sofre um grande descaso na parte ambiental há décadas. 
Indústrias químicas em Candeias tem o maior privilégio a ponto de se instalarem onde bem querem. Um dos portos mais conhecidos do mundo está situado no município de Candeias e, infelizmente, o porto foi instalado numa área de maior produtividade pesqueira da Baía de todos os santos, na baía de Aratu, nas proximidades da enseada de Caboto, onde hoje existe uma grande queda de braço entre pescadores e empresários que administram o porto, quando o intuito de pescadores e marisqueiros é o de impedir a ampliação do tal porto de Aratu; Porto esse que é responsável por grande da carga movimentada em modal marítimo da Bahia, e o porto teve a sua primeira etapa da área construída em Fevereiro de 1975. Hoje, há uma desavença entre ambientalistas, pescadores, marisqueiros e empresários devido aos planos de ampliação desse porto, que seria uma ampliação indevida pois, causaria sérios danos ambientais às comunidades quilombolas que residem nas proximidades de Aratu e que vivem da pesca e que utilizam a área de uma Praia que fica ao fundo do porto como área de lazer, assim como também os moradores dos distritos próximos e da sede de Candeias, contando também com turistas e visitantes que já conhecem a famosa Prainha de Aratu, um local que já é reconhecido por muitos como área de recreação e pesca e, levando também ao caso de que a Prainha é uma área de preservação ambiental e com a ampliação indevida do porto, os moradores de Candeias e região, assim como pescadores que utilizam a área em suas atividades ficariam impossibilitados de acessar o local, e essa briga acontece graças ao atual Governador da Bahia, Rui Costa (PT) que atua como procurador da empresa Braskem no processo, empresa essa que pretende instalar o terminal privativo na área da Prainha, que é considerada uma APA, foi quando o governador fez pouco caso e tomou a briga da empresa indo contra os amantes do local e comunidades quilombolas da região. 
Entre 2006 e 2010, Vanessa Hatje, coordenadora do Laboratório de Oceanografia Química da UFBA, o oceanógrafo Manuel Nogueira de Souza e Cláudia Windmöller, da Universidade Federal de Minas Gerais, coletaram moluscos em 34 pontos da baía de Todos os Santos. A análise química demonstrou que ao menos quatro elementos (arsênio, zinco, selênio e cobre) aparecem em concentrações relativamente altas em mariscos e ostras. Os moluscos mais contaminados, segundo artigo publicado em 2011 no Marine Pollution Bulletin, haviam sido apanhados em Aratu, próximo ao local em que as marisqueiras trabalhavam naquela manhã de outubro, e no estuário do rio Subaé, a noroeste dali.
Ano passado, 2018, logo após a semana do meio ambiente, dia 8 de Junho, um vazamento de óleo ocorreu em Candeias, no Rio São Paulinho, região de Pitinga, foi quando um duto que fazia transferência de uma água oleosa entre a estação Pedra Branca e São Paulinho, rompeu-se, e acabou vazando óleo comprometendo as atividades pesqueiras por um bom tempo e, até o dia de hoje, a região onde vazou o óleo é notório a ausência de crustáceos e moluscos, a região ficou totalmente improdutiva. Veja na próxima fotografia a situação que ficou o rio São Paulinho no dia 08 de Junho de 2018.
Percebemos que, no município de Candeias, ainda exista uma falta de interesse muito grande pelo tema "meio ambiente", assim como em outras cidades industriais do Brasil que, devido a conivência, o problema vem se agravando ainda mais. instalações de usinas termelétricas, desmatamentos, poluição atmosférica, despejos de efluentes químicos em rios,e  outros graves problemas tem afetado boa parte das nossas reservas naturais. Precisamos urgentemente adotar políticas sustentáveis antes que o caso se agrave e venhamos encarar problemas sérios, tanto com a nossa saúde quanto com a falta de alimentos.
Num dos distritos de Candeias, distrito conhecido como "Madeira", em uma das gestões políticas passadas uma termelétrica chegou a ser instalada junto a uma de nossas represas, conhecida como: Represa Jacarecanga, que recebeu a visita dessa indesejada termoelétrica, a Candeias Energia e, com isso, acabou comprometendo um lindo rio que pertence ao nosso município e que hoje encontra-se ameaçado por essa intervenção sendo que, o ideal para se instalar uma termoelétrica seria de aproximadamente 30 km de distância de reservas naturais e comunidades pois, os gases que essas usinas emitem são prejudiciais à saúde podendo desencadear uma série de doenças, poluir o ar e até mesmo os rios e mangues que estiverem em suas proximidades. A comunidade de Madeira enfrentará sérios problemas no futuro, como já estão enfrentando se privando de usar as águas da represa.
Uma outra termoelétrica, no tamanho três vezes maior que a existente, está sendo construída na mesma área (com a crise a obra está parada) mas, essa será ainda mais agravante ao meio ambiente, pois, será movida a óleo Mf380, o mesmo utilizado em máquinas de navios  e muito mais poluente. Os ventos predominantes sopram no quadrante NE, L e SE. Jamais uma termelétrica poderia ser licenciada nesta região, e não sabemos ao certo como sucedeu a instalação da mesma.
É de suma importância que a secretaria de meio ambiente do município abstenha-se da conivência e que venha priorizar e alertar a população sobre os iminentes riscos que esse excesso de indústrias químicas podem trazer para o povo candeense, levantando temas sobre o ar, solo, e a contaminação da água, todos comprometidos pelo excesso da química exalada no município pelas indústrias, e que tem desencadeado uma série de doenças respiratórias e de vários tipos de prejuízos ambientais; é obrigação de todos fazer valer o cargo que estão ocupando deixando de lado seus interesses próprios, lembrando da responsabilidade para com o povo do município.


























Postar um comentário