Coqueiro Grande ( Candeias / São Francisco )


Essa Região chamada Coqueiro Grande, é a região mais farta em frutos do Mar, conhecida como a região do caranguejo, principal marisco extraído do local, com uma grande extensão de manguezal que vai da Pitinga até o Portão 3 da Refinaria Landulpho Alves, rodeando assim, indo  até a divisa com o distrito de Passé. É uma região composta de panoramas belos de ambos lados, região junto à  Candeias, mas, pertencente ao município de São Francisco do Conde, e o que divide essa região de Candeias é apenas um pequeno canal, de onde muitas pessoas do distrito de Passé e de outros bairros de Candeias navegam com suas canoas e barcos em atividade de pesca; Raramente encontramos alguém da cidade de São Francisco pescando por aqui, pelo motivo da distância que se encontra o lugar, apenas o distrito de Caípe, região próxima ao local, que sempre passam por aqui praticando atividades de pesca. Nessa região existia uma vila de moradores que viviam da pesca, ainda por volta do ano de 1984, logo após foram indenizados pela Petrobrás para ampliação da RLAM. Na primeira imagem, o lindo cais, onde nos fins de tarde ganha mais aparência com o entardecer, e para quem gosta de fotografar cenas da natureza, dá para extrair muita coisa bonita em volta dele., como essa próxima fotografia:


Para Você ter acesso a esses Vários lugares, ao invés de você passar pela curva do bombeiro indo para Madre de Deus, tão somente você segue direto e entra a primeira esquerda numa pista asfaltada. Fica próximo ao portão 3 da Refinaria Landulpho Alves. Essa área é bem farta em Caranguejo e peixe até a um tempo atrás, mas creio que nada mudou, pois na última visita que fiz para tirar essa fotografia eu avistei tantos caranguejos que fiquei surpreendido com a quantidade vista, exige-se alguns cuidados aos pescadores como a pesca fora de tempo em períodos de reprodução das espécies. Para você ter acesso a essa área basta pegar o ônibus Candeias/Ferrolho, que é via portão 3 e esse lugar fica de uns 300 metros antes do portão e até chegar à ponte anda mais de 1km, numa área bem deserta, mas com panoramas belos.


Esse é um dos caminhos que nos leva até o cais, uma pista bem arborizada por pinheiro e eucalipto, são comuns nessa região paisagens como essas, fotogênicas e verdes, e bom para quem quer fazer uma boa caminhada no meado da tarde até o sol se pôr. Na imagem abaixo vemos o cais por completo em grande comprimento:


Fonte: Blog Candeias Bahia.

10 comentários:

  1. gilmar boa noite,adorei as novas fotos do coqueiro grande.este lugar é lindo.coloca mais fotos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Pimentel, vc também conhece o Coqueiro Grande? que legal, esse pequeno pedacinho de mata misturado com manguezais é lindo mesmo, um lugar isolado mas bem agradável, com belas paisagens, olha, aqui no blog só posso postar poucas imagens do lugar, mas verei se posto no panoramio e te mando os links, ok? Obrigado pelo comentário.

      Excluir
  2. VALEU MEU IRMÃO, VIVA SÃO JOÃO

    ResponderExcluir
  3. Os Manguezais merecem ser bem tratados e bem cuidados.

    ResponderExcluir
  4. Perdoe-nos o egoismo desenfreado(...) quero mesmo é morar + 40 anos de vida em São Francisco do Conde e, com nossa modesta canoa para três humanóides navegar entre SFC e Candeias, o resto é ser feliz!!!

    ResponderExcluir
  5. Estou analisando e pensando seriamente em visitar essa cidade linda.
    Os pontos turísticos são todos tranquilos, com relação assalto, violência?

    ResponderExcluir
  6. Me indique onde é melhor para ficar hospedado. Em termo de conforto e acesso

    ResponderExcluir
  7. Eletrônca Barros, a cidade é em forma de subúrbio ou como muitos dizem: Morro. A Redondeza oferece uma área extensa de Manguezal e pouca parte de praia onde está a beleza do município, mas não são das melhores, porém existem ilhas próximas aos lugares muito boas como ilha dos Frades, ilha de Bom Jesus, Madre de Deus, ilha de Maré e outras podendo assim facilitar seu acessoe vc não perder a sua viagem, e Candeias concernente à assaltos são raros mas a violência hoje em dia não só lá mas em todo canto está de amedrontar qualquer um, existem algumas simples pousadas e pequenos hotéis logo an chegada da cidade, mas aconselho vc ir com seu veículo porque os belos pontos turísticos não estão localizados dentro da cidade, como por exemplo: Caboto e Passé estão por fora da cidade, onde oferece história e beleza por volta dos seus canais marítimos, onde se merece um belo passeio de barco, mas dentro da cidade não espere nada de bom.

    ResponderExcluir
  8. Cuidado Com Os Manguezais10 de setembro de 2017 22:42

    “Deixem os manguezais serem e virem a ser o que podem ser; que sejam respeitados e cuidados pelo que são e pelo que fazem”
    (Marta Vannucci, 1999).



    Como é possível desprezar um ecossistema como esse? Cada milímetro quadrado fervilha de vida em uma tênue sintonia com o mar, o rio e a terra.

    Somente há poucas décadas a comunidade científica determinou o valor dos manguezais e há apenas parcos vinte anos, o público leigo foi tocado pela onda do preservacionismo.

    Ecologia, Meio Ambiente, Recursos Naturais, Conservação, Preservação, Extinção, Sustentabilidade, passaram a ser vocábulos presentes no linguajar das grandes massas populacionais. Mas mesmo assim, os manguezais ainda são considerados, por muitos, como locais inóspitos, repletos de doenças, fétidos e sem vida, próprios para serem ocupados como depósitos de lixo. Pensamentos, que notadamente, conduzem à sua degradação.

    Por outro lado, há por refletir: como exigir comportamentos conservacionistas de pessoas que não foram ensinadas que os manguezais são e podem ser muito mais do que imaginam, ou ainda de pessoas que nunca tiveram a oportunidade de sentir junto com o frio da lama aos seus pés, junto ao farfalhar das folhas de suas árvores e da brisa salgada, uma sensação de bem estar e de contentamento? Como exigir sua conservação se a presença de tantos organismos que em conjunto com uma vegetação singular compõem uma paisagem de rara beleza não chamaram a atenção da maioria das pessoas?

    De fato, não se respeita o que não se conhece. Diante disso, é importante salientar o valor de ações ambientais que mostrem às pessoas o quão valorosos são os nossos manguezais. Os programas de Educação Ambiental envolvendo essas áreas tão únicas são deveras importantes para sensibilizar as pessoas a respeito de sua importância tanto ecológica quanto econômica.

    Com suas árvores que parecem caminhar para o mar “em suas pernas de pau”, como dizem poeticamente os amazonenses referindo-se aos caules escora do mangue vermelho (Rhizophora mangle), muitas famílias retiram desses ecossistemas singulares seu sustento. Quer seja catando caranguejos, pescando camarões, coletando ostras ou simplesmente pegando “barro de mangue” para fazer panelas e usando sua casca para deixá-las pretinhas, como o fazem as paneleiras da Ilha de Goiabeiras, no Espírito Santo, os manguezais fazem parte de suas vidas, aliás, fazem parte de nossas vidas. Afinal, somos ou não somos “filhos da terra”, filhos da “grande mãe”, filhos de Gaia?

    A teia da vida trama seus fios envolvendo a todos nós! Cada pequena ação pode realmente fazer a diferença e os manguezais, assim como a mãe terra, agradecem!

    Faça a sua parte!


    Por: Professora Solange dos Anjos Castanheiras

    ResponderExcluir