Dow Brasil

Este é o unico complexo na América Latina produtor de óxido de propeno (PO) e propileno glicóis (PG) completa quatro décadas e recebe investimentos para continuar crescendo junto com o mercado de PU na região (Antiga Dow Química e Atual Dow Brasil).
A extração de sal está na base da cadeia produtiva de muitos segmentos e setores da economia. No universo do poliuretano na América Latina, os olhares se voltam para o nosso Complexo Industrial em Aratu, no município de Candeias, na Bahia.
Ele é o único na região em que a salmoura, extraída da Ilha de Matarandiba, no município de Vera Cruz e transportado por meio de pipelines (longos canos industriais) até Aratu, é transformada em óxido de propeno (PO) e propileno glicóis (PG), além de cloro e soda cáustica.
Esse complexo é estratégico também pelo fato de contar com um terminal marítimo próprio, onde são movimentadas cargas para mercados latino-americanos para os Estados Unidos, para a Ásia e para a Europa.
Em conjunto, os produtos manufaturados em Aratu são indispensáveis para as indústrias de colchões, eletrodomésticos, construção, tintas, farmacêutica, higiene pessoal, cosméticos e aditivos alimentares, entre outras áreas.
Diego Arango, o Diretor da Dow para o complexo de Aratu, vive o dia a dia da planta e comenta a sua importância. “Aratu, que este ano completa 40 anos, é uma demonstração da nossa aposta no Brasil e na América Latina. Exemplo recente disso foi o investimento de R$ 80 milhões feito na ampliação da planta de mineração de salmoura, o que aumentará o nosso potencial de atender as demandas dos nossos clientes”, diz Diego Arango, diretor da Dow para o complexo de Aratu.

PRODUTIVIDADE SUSTENTÁVEL

Um dos diferenciais de Aratu é a capacidade produtiva crescente, desde o início de suas operações em 1977, o que reflete seu valor estratégico para o mercado regional. Isso é acompanhado dos nossos esforços e iniciativas para a sustentabilidade e o melhor relacionamento com a comunidade.
Um dos diferenciais de Aratu é a capacidade produtiva crescente, desde o início de suas operações em 1977, o que reflete seu valor estratégico da planta para o mercado regional
No caso da extração de sal, por exemplo, os resíduos são bombeados de volta às cavernas antigas, devolvendo-os ao local de origem e evitando o contato com a fauna e a flora da superfície. Em complemento, não existe supressão de vegetação nem remanejamento de animais nesse processo.
Outra preocupação com a sustentabilidade, que é hoje um dos assuntos que mais debatidos na indústria, é o que chamamos de projeto Elefante. Ele envolveu ações que tornaram possível a cogeração de vapor e energia a partir de biomassa de eucalipto no Complexo Industrial em Aratu.
A cogeração é equivalente a 25% da energia consumida, substituindo 150 mil m3 diários de gás natural, o que reduz as emissões de gases de efeito estufa em 33%. E as matérias-primas produzidas em Aratu são muito mais sustentáveis. Por exemplo, os polióis e os poliglicóis são 25% menos poluentes que no passado! Ou seja, é possível fazer com que a operação de uma planta química seja mais sustentável.
Aratu também é fundamental para o desenvolvimento de carreira de muitos profissionais, um outro ponto que, diretamente e indiretamente, contribui para o mercado de poliuretano como um todo. A nossa tentativa, neste caso, é estimular não apenas o surgimento de novos talentos, mas também o desenvolvimento das lideranças.
Por todos esses – e muitos outros – motivos, Aratu tem uma trajetória que se cruza com a própria história do poliuretano na América Latina.


2 comentários:

  1. 2.3 Riscos de Inflamabilidade
    O óxido de propileno é um líquido incolor e altamente volátil com um ligeiro odor ao éter que é extremamente
    inflamável, com um ponto de inflamação de -37 ° C e uma ampla gama de explosividade, entre 1,7-37% vol no ar.
    O vapor é mais pesado do que o ar e se dispersa ao nível do solo, com o consequente risco de ignição no nível mais alto
    distância e retorno da chama. O óxido de propileno tem uma energia de ignição de 0,13 mJ.
    2.4 Riscos de Reatividade
    As bases, os ácidos e os halogenetos metálicos podem causar uma polimerização violenta. Lata de óxido de propileno
    formam peróxidos e, portanto, podem ser polimerizados. Não use ar comprimido para preencher, esvaziar ou processar. Reage
    violentamente e com o perigo de fogo e explosão com oxidantes, ácidos orgânicos e inorgânicos, bases orgânicas e
    inorgânicos, anidridos, cloretos de ferro, alumínio e estanho, cloro, aminas, amônia e metais alcalinos. Não use
    Materiais absorventes com base de argila.
    2.5 Riscos para a Saúde Toxicológica e Profissional
    2.5.1 Inalação
    O óxido de propileno é classificado como prejudicial em caso de inalação e irritante para o sistema respiratório.
    Estudos de inalação realizados com animais de laboratório sugerem um "nível de efeito zero" de 150
    ppm. A exposição repetida foi associada à depressão do sistema nervoso central e à irritação de
    olhos e sistema respiratório. Em ratos submetidos a exposição repetida de 200-400 ppm, observou-se dano
    O epitélio nasal moderado.
    Nos seres humanos, a exposição ao óxido de propileno em uma proporção de várias centenas de ppm pode produzir
    dores de cabeça, tonturas, sonolência, náuseas, desconforto no tórax e tosse. Uma maior concentração (para
    acima de 1000 ppm) pode causar irritação e edema do trato respiratório e perda de consciência.
    O limiar de odor no ar é de 100-350 ppm, o que é muito superior ao nível necessário para a segurança no
    trabalhar Portanto, o odor não pode ser usado como indicador de exposição ao Óxido de propileno.
    2.5.2 Toxicidade Oral
    O óxido de propileno é classificado como prejudicial em caso de ingestão.
    A partir de estudos realizados com ratos, foram obtidos valores de DL50 orais da ordem de 520 - 1140 mg / kg.
    2.5.3 Contato com a pele
    O óxido de propileno é classificado como prejudicial e irritante se entrar em contato com a pele.
    O valor de DL50 varia entre 1240-7200 mg / kg em coelhos. O óxido de propileno irrita entre moderado e
    Sério, a pele dos coelhos.
    Em um ambiente de trabalho, a irritação da pele devido ao contato acidental com óxido de propileno líquido será
    mínimo se o material puder evaporar livremente, embora um contato de vários minutos possa produzir um
    irritação entre moderado e grave. As soluções aquosas (10% vol / vol ou mais) são mais irritantes do que
    material não diluído. Lembre-se de que essas condições podem ser alcançadas se o Óxido de propileno dissolver-se no
    suor corporal
    O contato prolongado ou repetido com a pele pode causar queimaduras químicas, bolhas e inflamação.
    De acordo com alguns relatórios, também pode produzir dermatite alérgica.
    2.5.4 Contato com os olhos
    O óxido de propileno é classificado como irritante para os olhos.
    Uma alta concentração de vapor pode causar irritação nos olhos, enquanto o líquido causa queimaduras
    na córnea com a possibilidade de danos permanentes à visão.
    2.5.5 Propriedades do câncer
    O óxido de propileno é classificado como um cancerígeno da categoria 2 (ou seja, uma substância que deve ser
    ser tratado como cancerígeno para o homem).
    O aparecimento de tumores nasais em ratos e ratos aumentou após expor a vida inteira à inalação
    400 ppm, mas não 200 ppm. A exposição por menos tempo (30 dias) a 900 ppm causou uma
    irritação nasal clara, mas nenhum aumento no número de tumores foi registrado durante um período de
    Seguimento de 155 semanas. Estes resultados sugerem uma fraca resposta carcinogênica em roedores, limitados
    para o principal local de contato (ou seja, o tecido nasal). Não há resultados conclusivos sobre um possível efeito
    Carcinogênico em humanos.

    ResponderExcluir
  2. 2.6 Emissões e Degradação
    O óxido de propileno não está presente na natureza.
    A aparência de óxido de propileno no ambiente ocorre principalmente na atmosfera, devido às emissões
    fugaz durante a produção ou seu processamento posterior.
    Na atmosfera, o óxido de propileno degrada indiretamente reagindo com radicais hidroxílicos produzidos
    fotoquimicamente A semi-vida estimada do óxido de propileno na atmosfera é de 13 a 35 dias. Não se acredita que a
    O óxido de propileno contribui para a redução da camada de ozônio.
    O óxido de propileno é rapidamente hidrolisado em propil glicol na água, com uma meia vida estimada de 4 a 12 dias.
    A biodegradação em condições estáticas de laboratório aeróbico é entre moderada e alta. De acordo com MITI, Rust
    O propileno é facilmente biodegradável. O íon cloreto na água salgada acelera a degradação química, reduzindo a vida
    média para 2 a 4 dias. Por outro lado, o óxido de propileno pode ser removido da água por volatilização, com uma meia-vida
    3 dias em rios e até 18 dias em lagos. O óxido de propileno tem baixa toxicidade para peixes ou pulgas de água.
    O óxido de propileno evapora rapidamente a partir de superfícies secas e é moderadamente volátil em superfícies úmidas.
    O óxido de propileno é muito móvel nos solos. No caso dos solos úmidos, o processo de degradação mais importante
    É a hidrólise.
    As acumulações não ocorrem em sistemas biológicos ou ambientais.

    ResponderExcluir