introdução

"Antes, apenas um povoado de Salvador, hoje é um município que é uma potencia industrial, com um litoral exuberante, com um patrimônio histórico invejável, cuja sede é muito mal urbanizada e mal construída. Consequência de ser uma cidade dormitório de Salvador, habitada principalmente por trabalhadores industriais não especializados, de baixa renda, com uma sucessão de prefeitos corruptos e incompetentes. A topografia da cidade também não ajuda, por ser muito acidentada, que dá um aspecto de favela". Estas São As Palavras de Um leitor do site. Obs: Este Site é uma página pessoal sem Fins Lucrativos e não tem vínculo com órgãos públicos.
introdução - Seja Bem Vindo à cidade de Candeias Bahia, a terra do petróleo, dos morros e do comércio; Nesse conteúdo você vai conhecer a cultura, história e pontos turísticos da cidade, sem contar também que o alvo dessa página é fazer com que os candeienses e visitantes desse blog meditem sobre o meio ambiente e como cuidar da natureza.
A Palavra candeias é o plural de candeia, que quer dizer: candeeiro de óleo ou de cera; É Uma lâmpada formada por um recipiente de barro ou de folha, munida de um bico pelo qual passa a extremidade de um pavio, que se enche de óleo para queimar. Segundo o historiador de nossa cidade, o Professor Jair Cardoso, em seu livro, Candeias História da Terra do Petróleo, o nome da nossa cidade foi dado devido à presença em abundância de madeira por nome candeia, a qual era usada pelos religiosos que moravam próximo ao Rio São Paulinho para fazer tochas em caminhada à igreja matriz da cidade. A árvore candeia (Gochnatia polymorpha), também popularmente conhecida como cambará, cambará do mato, cambará guaçú e cambará de folha grande, é uma planta de porte médio pertencente à família Asteraceae. Esta planta vive em terrenos abertos, com distribuição esparsa e é muito utilizada para a fabricação de cercas e na confecção de telhados e coberturas de construções, pois possui uma madeira resistente à água e outras adversidades do ambiente externo. A cidade é de topografia irregular, estilo favela e com morros e ladeiras. Candeias possui uma população de mais ou menos 89.419 habitantes, Segundo o Senso do IBGE 2013, numa área de 265,555 km². Fica a beira da BR 324 e se liga com a mesma pela BA-522, Há 40 km de Salvador. A População é de maioria afro-descendente e o motivo você vai saber logo a seguir. Agora vamos falar um pouco da história do município:
Tudo começou no século XVI, a partir das terras de Caboto, quando o lugar foi tomado pelos portugueses, dando assim origem às histórias dos engenhos de Freguesia e Matoim, engenhos esses responsáveis pelo crescimento populacional da cidade, com o aparecimento do ciclo da cana-de-açúcar, onde Caboto foi um dos primeiros lugares do Brasil na produção da economia açucareira, quando vários escravos foram trazidos da África para a região de Candeias pelos portugueses, às terras de Caboto, e assim, foram eles explorados nessa mão-de-obra, produzindo a substância que era comercializada e vendida a vários comerciantes, não somente da Bahia, mas de várias partes do país e do mundo, principalmente no mercado Europeu, fazendo de Candeias um lugar conhecido nacionalmente devido a esse tipo de trabalho.
O Centro da cidade de Candeias teve origem a partir de um dos engenhos pertencente aos portugueses, o Engenho Pitanga, que estava localizado próximo à igreja matriz, e em 1720 sob a direção de alguns líderes religiosos, produzia o melhor açúcar da Bahia, exportando assim o produto ao país de Portugal. Surgem assim, as primeiras ruas da cidade, sendo elas: Largo da Igreja, Rua dos Milagres, Rua Direita, Rua do Birreiro, Rua do Tamarindo, Largo da Feira e Rua da Estação. Nos dias de Hoje, essas ruas encontram-se renomeadas, mas não citarei os nomes atuais das mesmas nesse parágrafo.
Em 14 de Agosto de 1958, Candeias foi denominada cidade com a emancipação política, separando-se assim das terras de Salvador, de onde o município era subúrbio, e o que colaborou mais para Candeias tornar-se cidade foi a descoberta do petróleo em 1941, onde o município passou a ser mais valorizado e mais ainda conhecido, o que antes disso no ano de 1939, no bairro do lobato, em Salvador, os moradores usavam uma lama preta para ascender as suas lamparinas, chegando assim ao conhecimento de algumas autoridades, que desceram imediatamente para conferir se essa lama preta era o ouro negro, o petróleo, e ao se confirmar que era o petróleo mediante as pesquisas laboratoriais, tentaram extrair em grande quantidade, mas não teve sucesso, e a mesma sonda que puxou o petróleo no bairro do Lobato descia para Candeias no ano de 1941, onde perfurou um poço na fazenda São Paulinho e foi de onde jorrou o valioso petróleo, formando assim o poço C-1, em Candeias, primeiro produtor comercial de petróleo em território brasileiro; A Fazenda São Paulinho era de propriedade do Coronel José Barbosa de Ferreira que atuou na cidade de Candeias como vereador, e seus filhos Ubaldo e Egberto de Carvalho ferreira formaram a ideia de emancipação política do município, assim, tomaram posse dessa liderança e anos depois Egberto e Ubaldo foram eleitos prefeitos da cidade de Candeias, logo após o primeiro prefeito Francisco Gualberto Dantas Fontes, e com isso, começou assim, a história da política de Candeias. Após o poço C-1, foram localizados muito mais poços de petróleo na região deixando assim a cidade de Candeias conhecida Como terra do petróleo, dando assim, origem à Refinaria Landulpho Alves, que fica próximo a Candeias fazendo parte da cidade de São Francisco do Conde.
Depois da descoberta do petróleo, Candeias veio se desenvolvendo ainda mais com a implantação de várias fábricas e portos, a exemplo do Porto de Aratu, que é responsável por 60% de toda a carga movimentada em modal marítimo na Bahia, e também o Porto da Ford, que é o primeiro porto do mundo pertencente a Ford construído pelo governo da Bahia e é a primeira vez na história que a montadora tem um porto próprio.
Na Cidade de Candeias o comércio vem sempre crescendo como sempre, mas nesses últimos tempos, nos anos de 2009 e 2010, com o desemprego, por incrível que pareça, alguns moradores da cidade tem se deslocado para outros estados em busca de trabalho, tornando assim o comércio um pouco mais fraco, mas com isso ainda movimentado, mediante aos distritos existentes na cidade e as outras regiões vizinhas como: São Sebastião do Passé, São Francisco do Conde, Madre de Deus e outras, que escolhem o comércio da nossa cidade como prioridade por ficar mais próximo do que a região de Salvador. Hoje em 2011, o município arrecada como renda mensal mais de 20 milhões, sendo isso resultado do petróleo, comércio, impostos e outros.
São estes alguns bairros e distritos de Candeias: Dom Avelar, Nova Candeias, Sarandí, Santo Antonio, Centro, Malembá, Pitanga, Nova Brasília, Maria Quitéria, Mamão, Caboto, Passé, Caroba, Pasto de Fora, Menino Jesus, Malembá de Baixo, Urbis I, Urbis II, Pindoba, Santa Clara, Areias, Massuím, Cedro, Madeira, e outros mais.
Como chegar a Candeias: Metropolitana de Salvador. Salvador (S), São Francisco do Conde (N), Simões Filho (L) e Madre de Deus (O). Sair de Salvador pela BR-324 em direção à Feira de Santana e seguir por 32 km até o entroncamento com a BA-522. A partir daí, mais 10 km até a cidade de Candeias.
Vale lembrar que, os pontos turísticos da cidade não se encontram no centro ou em bairros próximos, mas sim na redondeza da cidade, ou seja, nos distritos e partes mais afastadas, no centro você só irá encontrar comércio e movimento intenso de veículos.
Conheça também os prefeitos que governaram Candeias em ordem: Dr. Francisco Gualberto Dantas Fontes, Egberto de Carvalho Ferreira, Antonio Patterson de Melo Pereira, Alfredo da Silva serra, Dr. José Inaldo de Oliveira, Dr. Matheus Fainstein, Dr. Celino Gomes da Silva, David dos Santos Caldeira, Eliodoro de Jesus, David dos Santos Caldeira (Eleito Novamente), Maria Angélica Juvenal Maia de Queiroz, Antonia Magalhães da Cruz (em seguida Reeleita), Maria Célia de Jesus Magalhães Ramos, Maria Angélica Juvenal Maia de Queiroz (Atual Prefeita e eleita mais uma vez). Na Próxima Postagem Conheça a História do Primeiro poço comercial de petróleo do Brasil. Saiba Mais
Anúncio

Caboto - O Maior Potencial Turístico de Candeias

Para promover o povoamento das terras do Brasil de forma lucrativa, para os portugueses, resolveram-se doar sesmarias, imensos lotes de terras, de tamanhos variáveis.
Em Candeias, a primeira sesmaria foi concedida em Caboto, em 1560, ao português Sebastião Álvares, Homem influente, que ostentava o título de cavalheiro da casa do rei de Portugal.
A região de Caboto foi uma das primeiras da Bahia e do Brasil a assistir ao florescimento da economia açucareira. Foi aqui onde tudo começou, com escravos trazidos da África pelos portugueses, sendo os mesmos eram obrigados a trabalharem nos engenhos de cana-de-açúcar rendendo assim lucro para os seus chefes, e sendo também que os escravos passavam por diversas torturas, a ponto de não suportar e atravessar o canal do rio Caboto a nado quando eram ameaçados pelos brancos, tendo acesso aos arraiais de ilha de Maré, achando assim o esconderijo como refúgio.

O Distrito é herdeiro da antiga freguesia que no passado tinha duas irmandades, uma composta de negros e outra composta de brancos; Caboto é um distrito À beira-mar onde você encontra vários restaurantes e bares que fornecem pratos de frutos do mar como: moqueca de siri, moqueca de peixe, catado de caranguejo, peixe frito, ostra, sarnambi e outros mais. Na atualidade é dos distritos com maior potencial turístico de Candeias.
Caboto é uma vila de pescadores e de pessoas simples onde a maioria deles vivem da pesca, mas a partir dos anos de 1970, com algumas indústrias que se instalaram no local, alguns estão dando prioridades em trabalhar nas mesmas, visando uma melhoria de salário, e pesca para esses, ficou como uma distração, um lazer ou renda extra.
No local acontece também diversos eventos como: Etapas de Campeonatos baiano de maratonas aquáticas (Travessias a nado), clube do opala (Apresentações de diversos automóveis opala a passeio), grupos de ciclismos, o fuscaboto (evento promovido pelo clube de fuscas da Bahia) e outros que não citarei nessa postagem.
Mas Suplico às autoridades de nosso município que cuidem desse lugar, pois está abandonado, principalmente o engenho Caboto, que até casas estão construindo ao lado desse monumento histórico, necessita de ser conservado e não destruído, e vamos acreditar na reforma do engenho freguesia e que não demore por muito.
Na Imagem mais abaixo, você avista a Bica, com vista bastante agradável; aqui é onde o povo do distrito de caboto costuma passar algumas tardes se banhando e de preferência em companhia de alguém; É um lugar bem sossegado e pertinho do museu Wanderley Pinho. O que falta no lugar, é um investimento por parte do poder público de Candeias, um tratamento merecido a Caboto, pois, é um lugar bastante agradável para quem visita e até mesmo para quem Reside. 

Passé - Terra do Peixe, da História e da Moqueca.

 
O Nome Passé vem de origem do Tupi, dos índios Tupinambás, onde os mesmos habitavam nessa localidade até o dia em que chegaram aqui os portugueses, que tiveram confrontos com essa tribo indígena e sendo muitos dos índios mortos pelas tropas do Governador Mem de Sá, vindo assim os portugueses e se apossando das terras desse local.
Nos anos de 1563, logo após a doação das sesmarias (Imensos lotes de terras) na região de Caboto, chegou à vez de Passé, onde padres jesuítas também foram beneficiados com esses imensos lotes de terras, afim de que a plantação de canaviais e a construção de engenhos fossem mais prósperas na região de Candeias.
Nesse tempo, Passé era um distrito de Salvador, assim como Caboto (Matoim), quando Candeias ainda era residida por poucos habitantes, mas com a descoberta do petróleo em 1941, o que era chamado de distrito da capital passou a ser cidade independente em alguns anos depois, sendo assim Passé e Matoim áreas pertencentes a Candeias, ou seja, distritos de Candeias.

Passé é um distrito que está localizado à beira mar e é conhecido pela pesca e pela tradicional moqueca de peixe e mariscos variados, onde tem atraído diversos turistas e pessoas da própria região de Candeias. Conheça em vídeo o Mais Novo projeto da Região chamado Guardiões da Maré, onde visa tratar do meio ambiente e de tudo aquilo que causa danos ambientais principalmente à vida marinha.
Em sua chegada você se depara com paisagens belíssimas com vista da região do Coqueiro Grande, Pitinga, Caboto, Salvador, Refinaria Landulpho Alves, Porto de Aratu e algumas ilhas próximas. O bairro está dividido em várias partes que recebem o nome de: Querente, Roça Grande, Mucunga, Restinga, Gamboa, Caeira e Rio do Cunha.
Na primeira fotografia, a ponte de onde se desloca barcos para outras regiões próximas ao distrito; A Região é um lugar bom e descontraído pra quem gosta de tomar um banho de maré na Gamboa e pra quem gosta de pescar nas regiões diversas, ou até mesmo comer uma gostosa moqueca de camarão; Esse é o lugar apropriado.


Curta a Nossa Página No Facebook: www.facebook/Passécandeiasbahia

Prainha da Boca do Rio

Localizada no canal de Cotegipe, ao fundo do porto de Candeias (Conhecido mundialmente como Porto de Aratu), Está localizada a Prainha da Boca do Rio, a mais conhecida por Prainha de Aratu. é um local bastante visitado por pessoas de várias regiões da Bahia, onde as mesmas vem navegando pelas águas da Baía de Salvador em direção ao canal de cotegipe, se deparando assim com a nossa bela Praia. Pelo fato de ser um lugar bem reservado e um pouco distante da cidade, Turistas que vem à cidade de Candeias conhecerem os dois portos: o de Aratu e o da Ford, se encantam com a beleza do local. O Espaço da Prainha tem um pouco mais de 150 Metros de Comprimento, a quantidade de areia de praia é de poucos metros até a margem, apenas uns 15 metros, e com isso, é mais aproveitável banhar-se com a maré cheia, ou ao pelo menos na metade da enchente; Um local apropriado para se praticar Esportes Náuticos com suas águas límpidas e verdes. Às Margens da Boca do Rio, viveram os índios Tupinambás, antes mesmo da descoberta do Brasil, mas não houve indícios de confrontos nessa área dos índios com os brancos em posse das terras.
Apesar de terem construídos os portos, algumas poucas famílias ainda residem nessas proximidades até os dias de hoje, e, segundo as informações de alguns nativos da região, havia no passado algumas fontes de água doce no local e vários minadores, mas, por volta do ano de 1977/1978, com a construção do Porto de Aratu mais algumas empresas instaladas no local como: a Dow Química e Mendes Junior, essas fontes foram destruídas e deixaram de existir; Somente no final da Prainha (sentido Porto da Ford) haviam duas fontes, onde as pessoas aproveitavam a água para seus gastos. No local havia também armazém, escola, barzinhos, e um caminho repleto de bananeiras que dava acesso ao distrito de Caboto.
 Do outro lado da Boca do Rio, está a base naval de Aratu, onde é proibido o acesso de pessoas estranhas, mesmo pra quem vai de transportes marítimos ou passa pelo local, necessário é navegar apenas pelo canal e não próximo à base, e, vale também lembrar que, depois da base, está a praia de INEMA, local paradisíaco onde todos os anos quando a Bahia recebe a visita dos presidentes da República, onde os mesmos se alojam neste local por alguns dias. Nos Tempos passados, os nativos da Boca do Rio quando sentia a necessidade de auxílio ou socorro tratando-se da parte hospitalar e outras necessidades, não havia posto médico e nem hospital em Caboto, que é a região mais próxima, então, as pessoas recorriam à Base Naval, solicitando assim o transporte, para serem levados ao hospital mais próximos da cidade de Candeias ou Salvador, e até que o auxílio não era dificultoso. Moradores da região comentam que, essa baía, já foi um lugar mais bonito no passado que nos dias atuais; mas, tudo se acabou por causa das empresas que chegaram mudando a rotina dos mesmos. Nesse ambiente encontramos: iates, lanchas, jetski's, barcos, e outros, que embelezam mais ainda esse lugar, principalmente nos fins de semana, onde os moradores da capital e ilhas vizinhas aproveitam o passeio à Boca do Rio. Notamos que a cada dia vem chegando novas empresas para essa localidade; vamos lutar para que essa área seja preservada, como foi mencionado na postagem que, essa região era muito mais bonita, mas com a chegada dessas empresas tudo foi pra o chão. Ao Visitar o local, evitem deixar lixos na praia, pois ela é nossa e você é o responsável pelo zelo e pela manutenção do local, estamos sempre recebendo visita de voluntários onde os mesmos fazem a limpeza geral da nossa Prainha, mas, ao terminar o seu dia de lazer, recolha nas mesmas sacolas o seu lixo, ponha em seus transportes e deixem numa lixeira de uma cidade mais próxima, e fazendo isso, a natureza e nós agradecemos de verdade. Fonte: Blog Candeiasbahia.net

Curta a Nossa Página No Facebook

Tempo de Decomposição do Lixo No Meio Ambiente

Time decomposition of waste in the environment - O Mar, Por Exemplo.
Anualmente, bilhões de toneladas de lixo são produzidas em todo o mundo, e boa parte deste vai direta ou indiretamente parar nos mares.
Uma vez no ambiente marinho, o lixo pode causar doenças e até a morte dos animais marinhos, bem como penetrar na cadeia alimentar, vindo a envenenar o próprio ser humano.
Segundo o Projeto Tamar-IBAMA, é comum a ocorrência de tartarugas mortas por asfixia ao ingerirem sacos plásticos, que são confundidos com itens de sua cadeia alimentar, como águas-vivas ou algas.
Outra conseqüência funesta produzida pelo acúmulo de lixo nos mares e praias é o prejuízo causado pela fuga dos turistas das praias poluídas.
O lixo que produzimos diariamente, seja o lixo urbano, industrial, etc., pode ser sólido, gasoso ou líquidos e ainda orgânico, biodegradável ou inorgânico. Boa parte de nosso lixo doméstico é orgânico, ou seja, tem origem vegetal ou animal, pois são compostos de restos dos alimentos, de folhas, etc. O lixo orgânico diferentemente dos outros tipos de resíduos tem uma maior capacidade de se decompor, o que não significa que não seja igualmente poluente. Mesmo o lixo orgânico quando depositado de forma inadequada pode ser altamente poluente do ar, do solo e da água, além de propiciar o desenvolvimento de bactérias e outros organismos transmissores de doenças. O lixo orgânico e o lixo biodegradável tem a capacidade de se decompor mais facilmente enquanto o lixo inorgânico quando jogado na natureza pode levar milênios até se decompor, reforçando assim a importância da coleta seletiva do lixo reciclável.
A tabela de tempo de decomposição de materiais é um poderoso instrumento de sensibilização que, invariavelmente, faz
as pessoas pensarem na sua responsabilidade individual com relação ao lixo. Há porém, muita variação da informação .
Isso se deve ao fato de que o tempo de decomposição deverá variar de acordo com as condições do solo ou ambiente em
que os materiais foram descartados.
Materiais descartados na água do mar, que tem condições de acidez, oxidação, entre outras que são próprias do mar, vão afetar o material de uma forma totalmente diferente do descarte dos mesmos materiais no solo. De qualquer forma, dados como estes são implacáveis quanto a seguinte verdade: o lixo não acaba no lixo! Ele continua existindo depois que o jogamos na lixeira. Portanto é de extrema necessidade verificarmos todas as possibilidades de reintroduzi-lo na cadeia produtiva da reciclagem ou de aumentar o seu ciclo de uso e vida.
A natureza gasta uma energia vital para o equilíbrio do planeta nos longos processos de decomposição, assim os processos de tratamento do lixo como a reciclagem, os aterros sanitários, a incineração e a compostagem são ainda as melhores formas que o homem tem de lidar com o lixo que produz. Fonte: Aquário de Ubatuba / Cultura.