O Dia da Árvore Contra o Desmatamento No Município


O Dia da Árvore
 O Dia da Árvore é comemorado no Brasil em 21 de setembro e tem como objetivo principal a conscientização a respeito da preservação desse bem tão valioso. A data, que é diferente em outras partes do mundo, foi escolhida em razão do início da primavera, que começa no dia 23 de setembro no hemisfério Sul.
As Árvores e Seus Benefícios
A árvore é um vegetal de grande importância, tanto para as florestas quanto para as cidades, possuindo elas diversas finalidades que promovem o bem estar das pessoas que vivem em grandes cidades e municípios, ou até mesmo no campo, principalmente, àqueles que vivem em locais que tem um alto nível de poluição das grandes indústrias que atuam com processos químicos e prejudiciais à saúde humana e ao meio ambiente.
Saiba quais são os benefícios que as árvores proporcionam do ponto de vista social, público, ambiental e econômico.
A maioria das árvores e arbustos é plantada nas cidades ou comunidades com o objetivo de proporcionar beleza ou sombra. Apesar de esses benefícios serem excelentes, as árvores também possuem muitas outras finalidades. Os benefícios das árvores podem ser classificados nas seguintes categorias: benefícios sociais, benefícios públicos, benefícios ambientais e benefícios econômicos.
As folhas ajudam a reduzir a temperatura. Elas refrigeram o ar por meio de um processo conhecido como evapotranspiração, que é a combinação de dois processos simultâneos: evaporação e transpiração (ambos liberam umi­dade no ar). Durante a evaporação, a água é convertida de líquido em vapor e evapora da terra, dos lagos, dos rios e até mesmo de pavimentos. Durante a transpiração, a água atraída da terra pelas raízes evapora das árvores. O processo pode ser invisível aos nossos olhos, mas um carvalho de grande porte pode transpirar 150 mil litros de água para a atmosfera a cada ano.
Esse sistema externo de condicionamento de ar que as árvores fornecem reduz o consumo de energia em casa ou no escritório. A sombra fornecida por árvores decíduas plantadas de maneira adequada refrigera edifícios nos meses de frio, permite que os raios quentes do sol brilhem por entre seus galhos no inverno e também protege os edifícios contra ventos frios. Com algum planejamento, árvores plantadas em ambiente urbano podem ajudar a minimizar o efeito de ilha de calor que aflige muitas cidades.
De acordo com os pesquisadores da Universidade de Lancaster, no Reino Unido, que realizaram experiências para comprovar a eficiência das árvores em retirar a poluição do ar, constataram que as folhas conseguem absorver mais da metade do material particulado presente na atmosfera, principal responsável pela poluição do ar nos grandes centros urbanos. É de bastante utilidade pública manter árvores em vias públicas, próximas às residências e em locais onde o solo corre sérios riscos de erosão, pois, além das árvores contribuírem para a saúde, elas conseguem firmar o solo em períodos muitos chuvosos evitando os deslizamentos de terras que, muitas das vezes, provocam acidentes que soterran casas construídas próximas aos morros.
Benefícios Sociais
A relação dos seres humanos com as árvores vai muito além de observar sua beleza. Nós nos sentimos serenos, calmos, descansados e tranquilos em um bosque repleto de árvores. Lá, nós nos sentimos “em casa”. O efeito calmante das árvores próximas e das áreas verdes urbanas pode reduzir significativamente a fadiga e os níveis de estresse do local de trabalho, reduzir o desgaste causado pelo trânsito e até mesmo diminuir o tempo necessário de recuperação após uma cirurgia. As árvores podem também reduzir a criminalidade. Zonas residenciais com altos níveis de área verde possuem índices de criminalidade menor em comparação aos zonas residenciais sem árvores. O porte, força e resistência das árvores lhes confere uma característica sacra. As árvores são frequentemente plantadas como memórias-vivas, devido ao seu potencial de viver por longos anos. Normalmente nós nos sentimos ligados pessoalmente às árvores plantadas por nós ou pelas pessoas que amamos. O forte laço entre as pessoas e as árvores é normalmente evidenciado quando os moradores de uma comunidade se manifestam contra a remoção de árvores para o alargamento das ruas ou quando se reúnem para tentar salvar uma árvore de grande porte ou histórica.
Benefícios Ambientais
As árvores alteram o ambiente em que vivem, pois abrandam extremos climáticos, melhoram a qualidade do ar, reduzem o escoamento superficial da água de chuva e abrigam animais silvestres. O sol extremo, ventos e chuvas de grande intensidade são controlados em âmbito local. No verão, os raios de sol são absorvidos ou desviados pelas folhas das árvores decíduas e, no inverno, são apenas filtrados pelos galhos das árvores decíduas. Quanto maior o porte da árvore, maior seu efeito refrescante. Ao utilizar árvores nas cidades, podemos controlar o efeito ilha de calor, causado pela pavimentação e pelos edifícios em áreas urbanas.
As árvores afetam a direção e a velocidade do vento. Quanto mais densa a folhagem da árvore ou do conjunto de árvores, mais eficaz a proteção contra o vento. As pancadas de chuva, chuvas com neve e chuvas de granizo são absorvidas ou desaceleradas por meio das árvores, proporcionando proteção às pessoas, animais e construções. As árvores interceptam e armazenam um pouco da água e reduzem o escoamento superficial (enxurrada) da água das tempestades. A qualidade do ar é melhorada por meio do uso de árvores, arbustos e gramados. As folhas filtram o ar que respiramos,  pois removem poeira e outras partículas. A chuva, desta forma, carreia os poluentes para o solo. Pela fotossíntese, as folhas  absorvem o dióxido de carbono, que é um gás de efeito estufa, e armazenam gás carbônico à medida que se desenvolvem. As folhas absorvem ainda os poluentes do ar – como o ozônio, monóxido de carbono e o dióxido de enxofre – e liberam oxigênio. Ao plantar árvores e arbustos, devolvemos a uma  área urbanizada um ambiente que atrai pássaros e animais silvestres. Os ciclos naturais de crescimento, reprodução e decomposição da planta estão de novo  presentes, tanto acima quanto abaixo do solo. A harmonia natural é restaurada nesses ambientes.
Benefícios Econômicos
Os valores de imóveis em propriedades arborizadas são de 5 a 20 por cento maiores em comparação a casas não arborizadas. As árvores e arbustos isolados possuem um valor, mas a variedade de espécies,  tamanhos, condições e funções faz com que seja difícil determinar seu valor econômico. Os benefícios econômicos das árvores são tanto diretos quanto  indiretos.
Os benefícios econômicos diretos são normalmente associados aos custos com energia.  Os custos com ar-condicionado são menores em uma casa que possui o abrigo das árvores.  Os custos com aquecimento são reduzidos em casas que possuem proteção contra o vento. O valor das árvores aumenta, à medida que elas crescem e se desenvolvem. Como componentes de uma paisagem bem cuidada, as árvores podem valorizar sua propriedade. Os benefícios econômicos indiretos das árvores em uma comunidade são ainda maiores. Os  consumidores pagarão contas mais baratas quando as companhias de energia diminuírem a  necessidade de novas instalações para atender os picos de fornecimento, quando reduzirem a quantidade de combustíveis fósseis para a geração de eletricidade e quando utilizarem algumas medidas para controlar a poluição do ar. As comunidades ainda poderão economizar se menos estruturas tiverem que ser construídas para controlar o escoamento superficial de água na região. Para o indivíduo, esses custos podem parecer pouco significantes, porém para a comunidade como um todo, a redução dessas despesas é muitas vezes expressiva. Fonte: Sociedade Internacional de Arboricultura.
Benefícios Públicos
Os benefícios proporcionados pelas árvores podem alcançar muito além da vizinhança, mesmo quando localizadas em propriedades privadas. Do mesmo modo, as árvores de grande porte podem entrar em conflito com redes de serviços públicos, obstruir a vista e conflitar com as estruturas fora
dos limites da propriedade do seu dono. Com a devida escolha e manutenção, as árvores podem desempenhar sua função e realçar uma propriedade sem transgredir os direitos e privilégios de vizinhos.
As árvores urbanas frequentemente desempenham funções na arquitetura e na engenharia. Elas proporcionam privacidade, realçam a paisagem ou camuflam as paisagens desagradáveis. As árvores reduzem a claridade e os reflexos. Elas direcionam o tráfego de pedestres. As árvores também atenuam, complementam ou melhoram a arquitetura e proporcionam um fundo para a paisagem.
As árvores trazem os elementos naturais e os animais silvestres para sítios urbanos, o que aumenta a qualidade de vida dos moradores. Fonte: Sociedade Internacional de Arboricultura

"Além de auxiliar na limpeza do ar, retirando o dióxido de carbono da atmosfera e liberando oxigênio, as árvores ajudam a diminuir a pressão arterial, frequência cardíaca, e outros sintomas relacionados ao stress".

Evitam Problemas de Respiração e Outros Danos à Saúde
As árvores plantadas no meio urbano proporcionam relevantes benefícios ambientais às comunidades, tais como:
-Sombreamento;
-Elas absorvem o gás carbônico (CO²) e liberam oxigênio, melhorando a qualidade e umidade do ar, além de absorver ruídos e o barulho na cidade, portanto auxiliam na limpeza do ar, combatendo a poluição;
-Ornamentação;
-Melhoria do clima urbano, com redução da temperatura e liberação de umidade para o ar;
-Maior equilíbrio ecológico, pois as árvores fornecem abrigo e alimentos para muitos seres vivos;
 -Prevenção contra inundações, pois retêm água das chuvas nas copas e auxiliam sua infiltração no solo, reduzindo o fluxo superficial da água, com isso ela dá maior sustentação aos barrancos evitando desmoronamentos, pois suas raízes se entrelaçam sob o solo e favorecem a sustentação do mesmo.

O Município de Candeias Precisa de Árvores
Nunca se falou tanto em meio ambiente e preservação; Nas redes sociais, programas de TV, e  jornais, o assunto tem sido bastante abordado, com notícias que nos motivam ainda mais a zelar pela natureza, que nesses últimos tempos vem sofrendo severas agressões; a chamada ação antrópica, que tem devastado grande parte do nosso verde.
Os graves desmatamentos que assolam em Candeias tem gerado muitos problemas de saúde provocados pela poluição química trazida pelos ventos onde, ao longo dessas duas últimas décadas, período esse no qual a vegetação do município começou a ser extinta com mais intensidade, o clima do município vem sofrendo um grande desequilíbrio por falta da flora, gerando ainda mais intensas poluições. O crescimento desordenado em Candeias, incluindo a falta de conscientizações e campanhas por parte dos órgão públicos da cidade, queimadas, a extração ilegal de várias árvores vem devastando de forma cruel a nossa vegetação, inclusive, entre os anos de 2017 a 2018, ocorreu uma ação por parte do poder público onde vários moradores passaram a chamar de "chacina ambiental", foi quando essa remanescente vegetação existente na sede do município passou por um processo de devastação, e da mesma forma sucedeu nos distritos, com árvores cortadas e, segundo a secretaria responsável, as árvores foram retiradas porque ofereciam sérios riscos aos moradores que estavam próximos às mesmas. Algumas teses usadas para o corte dessas árvores foram aceitas por parte dos moradores de Candeias, porém, o número de árvores derrubadas foram além da conta, e o mais espantoso para os moradores foi que, além da retirada das árvores, a compensação ambiental não foi realizada de forma satisfatória pois, derrubaram bem mais árvores do que se plantaram.
Esses e outros problemas, os candeenses vem enfrentando há décadas e, sem vestígios de mudanças ou melhoras, o meio ambiente em Candeias se tornou um tema desprezível, e na opinião de alguns, o tema é um tema pouco lucrativo para a administração da cidade onde, há décadas, a vegetação vem desaparecendo e com isso, os problemas tende a aumentar devido a esse intenso desmatamento, agravando ainda mais a poluição química, que é oriunda de indústrias e de outros meios de contaminação.
O município de Candeias necessita de forma urgente de um reflorestamento de maneira proeminente pois, não havendo esse processo através de campanhas por parte das empresas e órgãos públicos, o população sofrerá danos futuros, e as próximas gerações não resistirão viver em um pólo industrial desprovido de agentes que venham combater ou minimizar essa poluição química. O objetivo das empresas e órgãos públicos deve ser o de cobrir com prejuízos ambientais gerados no município, já que as mesmas indústrias se instalaram em nossas proximidades, porém, vale lembrar sobre os danos que são gerados com a instalação de indústrias químicas próximas às comunidades, incumbindo a responsabilidade sobre esse pólo industrial.
Nas próximas fotografias, você pode ver parte da vegetação que foi eliminada pelo poder público, na sede do nosso município e nos distritos,  e com promessas de replantio; distritos e bairros que tiveram árvores cortadas, a exemplo de: Caboto, Caroba, Sarandi, Nova Candeias, e outros... Até o momento aguardamos a cidade receber mais novas mudas de árvores.

O eucalipto e o pinheiro eram as árvores mais encontradas na região de Pitinga, Malembá de cima, Malembá de baixo, e uma localidade conhecida como Região, nas proximidades da Represa São Paulo, e foi a partir dessas localidades que ocorreram os mais visíveis desmatamentos dessas belas árvores; foi a partir dos anos de 1998 e, por falta de denúncias aos órgãos públicos municipais e as empresas que são proprietárias dos terrenos desmatados e, na época, essas árvores foram dissipadas extratores ilegais de madeiras que, de forma perversa, acabaram com a nossa vegetação, incluindo também as queimadas que vem ocorrendo com frequência em regiões arborizadas até os dias de hoje, e com isso, a fauna também acaba sendo comprometida pela ação antrópica, e os rios existentes nas proximidades sofrem com a falta da vegetação, colocando também em risco esses lagos que podem sofrer uma erosão do solo, pois, as árvores, além de darem mais beleza aos rios, cumprem também o papel de firmar o solo, evitando assim que os nossos rios desapareçam com o soterramento.
Uma árvore grande libera até 400 litros de água por dia, e esse é motivo pelo qual as pessoas se sentem bem próximos a elas, contando também com as sombras projetadas que transmitem um frescor e um bem estar, lembrando também que os bairros mais arborizados eles chegam a ser até 10º mais frescos.
Na próxima imagem, o desmatamento dos pinheiros que ocorreu ao longo do tempo na região do Malembá de cima, nas proximidades da bica; Pinheiros esses que foram plantados pela Petrobras anos depois da descoberta do petróleo em Candeias, e que embelezava ainda mais o bairro.
Foto: Google Earth
Apenas na área mostrada nesse mapa, entre os períodos de 2006 a 2017, foram devastados mais de 250.000 m² de pinheiro (Pinus elliottii), e sem contar com os pinheiros da localidade conhecida como "Represa"e "Bica", que passaram também pelo mesmo processo de degradação. Na localidade da Bica, nos dias de hoje, existe uma pequena vila de moradores que vieram do interior para Candeias em buscas de novas oportunidades de trabalho. O vilarejo da Bica já existia desde o início dos anos 90, porém, ao longo do tempo foi crescendo, e hoje encontra-se com um número considerável de residências.
No início do ano de 2018, denúncias foram feitas aos órgãos responsáveis aqui na Bahia concernente as árvores que estavam sendo retiradas dos bairros; houveram promessas de visitações aos locais devastados para averiguar se as árvores foram ou não derrubadas de forma ilícita, porém, até o dia de hoje não alcançamos soluções e o caso deu-se por esquecido.
O município de Candeias é um dos poucos municípios da região metropolitana que mais sofre com a extinção de espécies variadas devido ao desmatamento e queimadas constantes, onde Candeias, ao longo do tempo, vem sendo afetada pela forte poluição atmosférica pois, acreditem, o atual prefeito de Candeias, o mesmo que ordenou os cortes das árvores, é um médico; Esse profissional visa em zelar pela saúde humana e, deve procurar dá suporte aos casos mais especiais, a exemplo das doenças respiratórias, que é um dos maiores problemas enfrentados pelos candeenses.
Diferente de outras cidades, a administração de Candeias não tem hábitos de promoverem campanhas de preservação às matas e florestas ou, até mesmo dos rios, os quais se encontram com alto nível de poluição. O poder público não tem mostrado o interesse de sensibilizar aos moradores de Candeias, e nem mesmo por meio de redes sociais ou campanhas em massa, mostrando a todos a importância que se deve ter em preservar o verde e o meio ambiente nas cidades; verde esse que contribui para o bem estar de cada morador que vive à mercê das várias poluições. No alto índice de desmatamento na cidade, caberia a necessidade de uma mobilização em massa por parte das secretarias de meio ambiente unidas à população, e assim, seria mais fácil conscientizar a todos sobre a importância de viver em um ambiente preservado e sustentável.
Na próxima imagem, a vegetação desmatada que foi mostrada no mapa, e que era composta por uma linda plantação de pinheiros, ainda no ano de 1997. A região onde estavam os pinheiros fica nas proximidades da bica, no bairro do Malembá, que seguia em direção à represa e até os dias de hoje, os poucos pinheiros que sobraram só deixou saudades de um local lindo e que embelezava o bairro do Malembá. Hoje, esses pinheiro estão mais concentrados na região de Pitinga, junto com o eucalipto, restando poucas dessas árvores.
O último impacto sobre a vegetação no município aconteceu oito dias antes da comemoração ao dia da árvore; foi na Praça Milton Bulcão, bairro Malembá, quando a equipe que trabalhava na reforma da praça estava fazendo uma escavação e, de repente, uma árvore caiu e, por pouco, não atingiu um jovem por nome Patrick, que reside próximo a praça na qual estava acontecendo a reforma. Testemunhas que presenciaram a cena, relataram que a exagerada escavação provocou a queda da árvore, e que com a queda, a rede elétrica foi atingida e, por pouco, o garoto não foi atingido, porém, o rapaz teve um grande prejuízo em seu veículo que estava estacionado próximo ao local onde caiu a árvore, uma moto que, em seguida, foi recolhida por ordem da prefeitura para fazer os reparos sobre os danos causados. Veja em Foto.
Conclusão
Se a população de Candeias não se mobilizar e cobrar providências ao poder público e indústrias concernente ao desmatamento, estarão todos sujeitos a continuar vivendo em um ambiente severamente poluído e com riscos de doenças graves, ou até mesmo mortes, devido ao desmatamento no município, que vem assolando com frequência, além das queimadas provocadas aos redores dessas poucas reservas remanescentes de Candeias.
O Assunto é longo e polêmico, e por esse motivo, cobramos providências e conscientização não somente do poder público, mas também dos moradores que praticam atividades de caça e pesca nas regiões de Candeias, e que saem com o objetivo de acampamentos em locais de vegetação; que sejam cautelosos e que busquem interesses próprios em preservar o verde que ainda nos resta, pois, sem a natureza não podemos viver.
Veja no Vídeo a seguir:
A falta de árvores em São Paulo transforma a cidade em uma grande ilha de calor. A temperatura em alguns bairros subiu 7ºC nos últimos 70 anos, informou o SPTV nesta segunda-feira (21). As árvores bloqueiam até 90% da luz e do calor que vem do sol. Por isso, os bairros arborizados da cidade chegam a ser 10ºC mais frescos.
Nas ruas da capital paulista, existem 650 mil árvores. É uma árvore para cada 18 pessoas. Segundo os especialistas, é muito pouco. Uma árvore de grande porte borrifa até 400 litros de água no ar por dia. Sem elas, a secura é grande.  .