"Inema Se Tornou Um Balcão de Negócio" Militante de Movimento de Pescadores Artesanais Afirma Não Acreditar Nos Órgãos Ambientais.


Um fato que vem ocorrendo no município de Candeias, na Bahia, durante os meses de Agosto e Setembro vem causando indignação a pescadores e marisqueiros da localidade, além de pescadores de ilha de Maré (Salvador) e Mapele (Simões Filho). Uma licença concedida pelo Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (INEMA) a uma empresa que tem por nome "Bahia Terminais" (TMULT) deixou um rastro de dúvidas concernente ao proceder do órgão que é bastante conhecido por labutar com causas ambientais. A licença permitia a ampliação de um porto na baía de Aratu sobre uma APP ( Área de Proteção Permanente); Área composta de manguezal; Um ecossistema protegido por lei federal e que é considerada como "área intocável e com rígidos limites de exploração", já que é um bioma importante e de utilidade pública o qual favorece o meio ambiente  e ao homem, dando também instabilidade à costa servindo como uma barreira protetora, além de ser berçário de pexes, crustáceos e moluscos, e um grande aliado do homem no combate ao aquecimento global, de acordo com pesquisas recentes.

Um protesto (ver vídeo) foi realizado na manhã do dia 09 de Setembro de 2020, às 07:30 hs da manhã, contra a ação do Inema e da empresa, rumo ao local do desmatamento do mangue, ao lado do Porto da Ford, município de Candeias onde, vegetações de várias espécies foram cortadas pelos trabalhadores contratados pela empresa. Segundo testemunhas, grande parte desses trabalhadores não residem no município de Candeias. No movimento liderado por Marizélia Lopes, onde teve a presença de pescadores de Caboto, ilha de Maré e Candeias, o grupo pedia por providências aos órgãos ambientais, mostrando ato de repúdio contra o ocorrido. Antes mesmo do protesto, após receber várias denúncias por grupos de whatsapp, a militante acessou o local com uma canoa, onde ficou surpresa com barulho de motosserra dentro do manguezal, um flagrante que comoveu a muitas pessoas que admiram e que vivem do mar, além de no local haver pessoas trabalhando aglomeradas e sem máscaras, já que se tratava de um período de pandemia devido ao coronavírus. "quando eles viram a gente chegando de canoa, começaram a levantar a motosserra, como se tivessem nos ameaçando" afirmou Marizélia.

A Candeias TV, regida por Jacson Calado, esteve no local participando do protesto onde, foi transmitida uma live via Facebook mostrando o movimento dos pescadores e, em seguida, após o protesto, uma entrevista foi realizada com a líder do movimento, Marizélia, onde a mesma afirmou para nós " o que a gente enxerga agora do INEMA: é um balcão de negócio! o que a gente enxerga dos órgãos ambientais, é que estão negociando o meio ambiente" logo e seguida prosseguiu relatando o que pensa a respeito dos órgãos que deveriam proteger o pescador e o meio ambiente, como se eles favorecessem mais as indústrias. A militante, que também é marisqueira, afirma não acreditar nos órgãos ambientas aqui da Bahia; INEMA, IBAMA, etc...
Candeias é um município que enfrenta diversos problemas ambientais, principalmente quando se trata dos assuntos referentes à poluição do ar, das águas e desmatamento. O município não é somente conhecido como "Terra do Petróleo" mas, é  bastante conhecido por meio dos escândalos financeiros e pelo racismo ambiental. Uma ação movida  pela Braskem no ano de 2014 que envolve o governador da Bahia, está na ativa; Mesmo sofrendo várias derrotas em ação populares e até mesmo no STF, a empresa insiste em construir um pier numa Área de Preservação Ambiental que pertence ao município de Candeias para a ampliação do porto de Aratu, numa área de recreação e pesca conhecida como "Prainha de Aratu"; um ponto turístico de grande fluxo de pessoas que fica junto ao local onde aconteceu o desmatamento da APP. O governador da Bahia, Rui Costa (PT) se aliou à empresa com o intuito de dá apoio ao projeto que compromete ainda mais o quilombo de ilha de Maré e de outras regiões por meio da contaminação química que vem provocando ao longo dos anos um desgaste na saúde dos moradores dessas regiões quilombolas que ficam nas proximidades da baía de Aratu.

O vereador Arnaldo do ponto econômico, da câmara municipal de Candeias, chegou a fazer uma live no local do desmatamento, e mostrou-se insatisfeito com a situação que havia presenciado dentro do manguezal, e o mesmo afirmou ver uma nascente de água doce ali.
No dia 08 de Setembro, o Ministério Publico estadual, por meio da promotora de Justiça Cecília Carvalho Marins Dourado, recomendou ao Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (INEMA) a suspensão imediata do processo administrativo que autorizou as obras do Terminal Portuário de Múltiplo Uso (TMULT), na Baía de Aratu, em Candeias. Segundo a promotora de Justiça, o Terminal Portuário de Múltiplo Uso, da Bahia Terminais S.A., “além de implicar considerável supressão de vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica, impactará diretamente na Baía de Todos Os Santos, que também goza de proteção diferenciada”, destacou.  Ela complementou que é imprescindível a paralisação imediata das atividades da empresa Bahia Terminais S.A., relacionadas à intervenção em Área de Preservação Permanente (APP), no local destinado ao empreendimento denominado TMULT, para que se adotem as ações fiscalizatórias empreendidas e que se esclareça a necessidade de realização de Estudo de Impacto Ambiental (EIA)/Relatório de Impacto Ambiental (RIMA). Veja a Matéria na íntegra.
Vale salientar que, a atitude tomada pela empresa Bahia Terminais, foi uma atitude covarde. Um mal causado contra o meio ambiente em um momento oportuno de pandemia onde, muitos dentro de suas casas, jamais imaginaria que o ecossistema que fornece o alimento que é posto em suas mesas estaria sendo destruído por uma empresa irresponsável; Como se fosse uma coisa bem articulada às escondidas, e que nos faz lembrar o que dito do ministro Salles do meio ambiente: '...Ir passando a boiada'. 
Mesmo a promotora de justiça recomendando ao Inema a suspensão da licença, pescadores ainda flagraram funcionários da empresa trabalhando a todo vapor derrubando árvores nativas à base da motosserra. Em áudio, desabafa mais uma vez o vereador Arnaldo Araújo, ouçam.
Atualizado em 20/09/2020 às 02:05 hs