Dia internacional da Preservação dos Manguezais 2020


O grupo maré sustentável mais uma vez teve o privilégio de apresentar mais um trabalho nesse ano de 2020 com o tema "Os manguezais 2020", em homenagem ao dia internacional da preservação dos manguezais que é uma data comemorativa do dia 26 de Julho de cada ano, e que visa num objetivo de conscientizar ao mundo a importância de se preservar esse ecossistema que é de grande importância para o planeta, principalmente para famílias que dependem da pesca para sobrevivência. Agradecemos mais uma vez ao professor e historiador Jair Cardoso por atender ao nosso convite para atuar nessa bela apresentação que foi gravada na região de Pitinga, aqui mesmo no município de Candeias.
Os manguezais, que são ecossistemas costeiros de transição entre ambientes terrestres e marinhos localizados em estuários topicais, e que atuam em diversas características nesse ambiente lodoso e com pouca oxigenação, abrigando diversas espécies de aves residentes e migratórias, além de peixes, crustáceos, moluscos, e uma variedade de nichos ecológicos.
Numa Conferência das Nações Unidas sobre os Oceanos, concluiu-se que, em torno de 67% de todos os manguezais do mundo desapareceram ao longo do século passado, devido ao desenvolvimento das regiões costeiras, à aquicultura, à poluição e a outras atividades humanas.
Ao longo do tempo, os manguezais vem apresentando um papel muito importante, tanto para as comunidades costeiras quanto para o equilíbrio climático, um grande aliado do homem contra o aquecimento global, como publicou a UNESCO em uma de suas páginas, já que as raízes dos manguezais armazenam grande quantidade de carbono azul proveniente da atmosfera e do oceano.

O nosso trabalho de preservação não tem vínculo com o poder público e não recebe nenhum tipo de ajuda de Ongs ou empresas, e consiste na limpezas de praias  e mangues no intuito de diminuir os impactos provocados pelo lixo, além de campanhas de conscientização que são publicadas afim de levar conteúdos de mensagens com o tema "preservação" aos leitores desse blog.
O município de Candeias abriga uma grande área de manguezal que está distribuída em partes, como a exemplo da baía de Aratu e Pitinga, além de distritos como: Passagem dos Teixeiras, Caboto e Passé . Temos também a única ilha existente no município, que é a ilha do Topete, conhecida também como "Refúgio das Garças" uma pequena ilha privada que está situada ao sul do distrito de Passé e ao norte de Caboto, e mede aproximadamente 16.000 M² composta por uma pequena área de pés de mangue de variadas espécies. O apelido da ilha de "Refúgio das garças" deu-se pelo fato de uma grande quantidades de garças brancas usarem a área como reprodução e momentos de descanso, como acontece em toda área de manguezal. 
A relação do homem com o manguezal tem sido uma relação de forma desarmônica, onde diversos tipos de agressões que vem impactando os manguezais ao longo do tempo são oriundos da ação humana, como a exemplo do lançamento de esgotos domésticos, lançamento de efluentes químicos (grande parte de indústrias químicas), aterro, desmatamento, pesca com explosivos, pesca predatória e outros tipos de ações que desequilibram esse bioma. Caso não sejam tomadas rapidamente medidas
efetivas para conservação, preservação e conscientização da importância deste ecossistema para natureza, os manguezais tendem a se extinguir colocando em risco todo o equilíbrio da zona costeira.

Tratando-se da fauna existente nos manguezais, os caranguejos e as aves são de grande importância para o ecossistema manguezal pois, desempenham papéis essenciais na dinâmica deste sistema. O ato da procura de alimento, a escavação das tocas e a movimentação destes animais revirando o sedimento permite, assim, mais oxigenação do substrato e liberação de nutrientes que vai enriquecer, mais ainda, a massa d'água.
A fauna do manguezal pode ser distribuída de uma maneira geral pelos diferentes compartimentos existentes neste ecossistema, didaticamente separados em: água, sedimento e vegetação. No meio aquático encontram-se crustáceos (siris e camarões) e peixes (tainhas, robalos, manjubas etc.), enquanto no sedimento
observam-se anelídeos (minhocas e poliquetas), moluscos (mariscos, ostras e caramujos) e crustáceos (caranguejos) e sobre o sedimento mamíferos (guaxinim ou mão-pelada). Por fim, na vegetação são avistados moluscos (caramujos, broca da madeira e ostras), crustáceos (caranguejos), insetos (moscas, mosquitos,
borboletas, mariposas etc.) e aracnídeos (aranhas) (PEREIRA FILHO & ALVES, 1999).
As aves habitam todos os meios alimentando-se na água e no sedimento e abrigando-se e reproduzindo-se na vegetação. As mais observadas são: garças, martins-pescadores, socós e maçaricos.
Na fotografia acima, a ave Guará. Pelo fato dessas aves se alimentarem de caranguejos nas regiões de manguezais, as suas penas possui uma sua coloração vermelha. A partir desse ano de 2020, essas aves passaram a ser novidade nas regiões de Caípe (São Francisco do Conde) e Suape (Bairro de Madre de Deus) diversificando ainda mais a fauna dos mangues nesses dois municípios.
Somos gratos a todos que admiram o nosso trabalho e vamos continuar na luta pela preservação desse belo bioma que muito importa para nós que amamos a natureza, principalmente para as famílias que tiram do manguezal o seu sustento. Mangue é vida!

Postar um comentário