Caso Prainha de Aratu: Balneário Continua Sendo Ameaçado Pela Empresa Braskem

A Prainha é Nossa! Devastar Área Ambiental e Protegida é Crime.

O Deputado estadual Marcell Moraes (PV) criticou o fato de o governo estadual ter enviado novamente à Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), “na calada da noite”, o projeto de lei que estabelece as Diretrizes Industriais, Logísticas e de Sustentabilidade do Centro Industrial de Aratu e do Canal de Cotegipe. A proposta havia sido encaminhada pelo Executivo em 2014 e acirrou os ânimos entre deputados, governo, e comunidades tradicionais da Baía de Todos os Santos, o que acabou levando o governo a retirá-la de pauta no fim do mesmo ano. No texto enviado naquela ocasião, a área da Praia, que fica dentro do Porto de Aratu, era tratada como Zona de Interesse Ambiental e Recreativo (Ziar), “de importância ambiental, de recreação e balneário da comunidade local e para o turismo náutico da região”. Na proposta trazida de volta este ano, não há menção ao local, o que, segundo Marcell, demonstra que o governo quer permitir a ampliação do Porto de Aratu para atender aos interesses de empresas como a Braskem, que tem interesse de instalar na área um Terminal de Produtos Químicos. “Os deputados já estão sabendo desse famoso golpe que o governo do estado quer dar no povo baiano. O governo do estado tenta colocar um projeto para destruir ainda mais a nossa Baía de Todos os Santos”, atacou. Segundo o deputado, a petroquímica está “chantageando” o governo. “A Braskem é uma empresa poderosa, que, sem dúvidas, está chantageando o governo para aumento do porto, dizendo que, se não for assim, ela sai da Baía de Todos os Santos. Fonte: Jornal Bahia Noticias


Enquanto a Cidade de Candeias está caindo aos pedaços, com calçadas de ruas destruídas, lixo em todos os cantos, praças abandonadas, saúde passando pelo caos, educação a nível zero, ruas esburacadas, políticos de Candeias ainda insistem em destruir o que temos, ao invés de procurar solucionar os problemas mais graves da cidade, estão conspirando contra o nosso balneário natural, a Prainha, mas, o interesse que os políticos da cidade tem sobre isso, nem precisaria citar, mas, serei claro em dizer: Dinheiro!.

Vereadores de Candeias! pensem bem em suas decisões, lembrem-se de que serão danos irreversíveis, tratando-se desse terminal que essa tal empresa pretende construir em nossa área de lazer, isso é um crime e ficará na história, a empresa Braskem é uma velha conhecida em poluir mares com Mercúrio, e no ano de 2014, o Ministério Público Federal aqui na Bahia, ajuizou uma ação civil pública contra a empresa Braskem por contaminação com mercúrio na enseada de Itapajipe, aqui em Salvador, e a nossa enseada também correrá esse risco caso esse terminal seja construído.

Alguns dos vereadores da cidade de Candeias ainda continuam a enganar o povo com falsas promessas, mas lembrem-se, existe um verso escrito no livro da lei de Deus que diz que Ai dos que justificam ao ímpio por suborno, e aos justos negam a justiça! Isaías 5:23; Se é que vocês acreditam em Deus Criador, pois Ele existe e age com Justiça sobre os malfeitores que enganam o povo.
Dos que justificam ao ímpio por suborno, e aos justos negam a justiça!
Isaías 5:23
Dos que justificam ao ímpio por suborno, e aos justos negam a justiça!
Isaías 5:23
Dos que justificam ao ímpio por suborno, e aos justos negam a justiça!
Isaías 5:23
Dos que justificam ao ímpio por suborno, e aos justos negam a justiça!
Isaías 5:23
Dos que justificam ao ímpio por suborno, e aos justos negam a justiça!
Isaías 5:23

Um dos vereadores astuciosamente falou numa das sessões da câmara que a Prainha é um local inapropriado para banho, qual o interesse desse tal vereador em afirmar tal coisa? sendo que, já usamos a área como lazer, pesca e banho há muitos anos; Será que é zelo pelos banhistas e pescadores da região? será que é pelos poucos empregos que irão gerar esse tal terminal? ou será que tem bastante dinheiro em jogo? Pelo que nós moradores da cidade de Candeias sabemos, é que os políticos de Candeias nunca se  preocuparam com geração de empregos no município, e o que mais achamos é que, alguns vereadores, precisam ter mais um pouco conscientização ambiental, saber valorizar determinados assuntos que envolvem essas polêmicas, pois, moramos numa cidade onde se dispõe de várias áreas de pesca, e um imenso manguezal que é desfrutado pelos vários moradores de bairros da sede da cidade, e, assuntos como esses, geralmente não são abordados pela prefeitura de Candeias  e seus atrasados vereadores, onde deixa ainda o povo mais atrasados e desconhecidos do assunto, a ladainha é a mesma, e a cidade também é a mesma, nunca muda, com uma renda extraordinária que arrecada mensalmente, mas, quanto aos pontos de pesca, talvez eles (políticos) nem se quer sabem onde estão localizados os tais. 
Saibam que a mudança do PDDU que eles almejam fazer, seria um golpe, apenas para destruir essa área protegida, que é a Prainha.

Gostaríamos de agradecer aos vereadores que não foram favoráveis a esse tal projeto da Empresa Braskem, dizer a vocês que estão de parabéns pela atitude, e que sentimos orgulho em ter vereadores assim, conscientes e inteligentes, que não vivem à mercê de enganar o povo da cidade e nem de degradar o nosso ambiente natural.

Lamentável saber que administradores do município são pessoas insensatas e frias, que só pensam em benefícios próprios, e que não respeitam o povo, como temos presenciado sempre aqui na cidade de Candeias, uma política suja e nojenta, e que o no final de tudo, quem mais perde somos nós eleitores, onde damos um voto de confiança para que os tais defendessem as nossas causas, mas infelizmente, tem acontecido o contrário, são questões lamentáveis, onde nós moradores já nos encontramos saturados de ver, todos nós sendo feitos de palhaços, entra mandato, sai mandato, e a cidade não muda, continua a mesma, sem uma boa infraestrutura, sem uma boa educação, saúde e saneamento, e o pouco lazer que temos, ainda querem frustrar, como a exemplo da Prainha, a única do nosso município.

Mas, acreditamos na boa consciência de alguns vereadores, que, mesmo sendo pressionados por outros, irá continuar firme na decisão de que a nossa preservação ambiental não será destruída por uma empresa tão má, tão gananciosa como a Braskem, que sabe muito bem que a Prainha não está no poligonal do Porto de Aratu, mas, insiste em querer colocar a mão em algo que é nosso, essa empresa ameaça destruir as nossas belezas, os nossos bens naturais.

Vale lembrar que, na localidade da Boca do Rio (local esse onde está a prainha), ainda residem 15 famílias, e são pessoas que vivem da pesca e usam a área como lazer e banho, que também são eleitores. 
Na Fotografia abaixo, cenas de uma pesca feita no local onde mergulhadores conseguem capturar uma raia, e o local tem sido útil para muitos pescadores da região de Caboto, Passé, ilha de Maré (Salvador), Mapele (Simões Filho) e a própria Boca do Rio, que extraem peixes e crustáceos dessa localidade.


Estamos Prontos a tomar devidas providências ao se iniciar esse projeto, caso seja aprovado, é necessário envolver num processo todos os culpados desse crime ambiental, órgãos públicos, pessoas, empresas, etc... Poderemos perder a Prainha, mas não será assim tão facilmente. 
As leis foram criadas para a defesa pessoal e ambiental, ao pesquisarmos os artigos onde decreta leis de crimes ambientais e pessoais, podemos ver que o tal projeto da Braskem, onde envolve a prefeitura municipal de Candeias, Vereadores, Governo do Estado e Secretaria de Meio Ambiente, visa devastar o meio ambiente e pessoas, tais como: frequentadores, moradores local, pescadores e marisqueiros, pois, a área sempre foi utilizada como local público, mas, com a chegada dessas empresas, nós moradores da cidade perdemos o que havia de melhor, a nossa liberdade de viver em um ambiente puro e saudável, sem químicas e poluições, sem degradações e sem empresários que não nos beneficiaram em quase nada, pois, mesmo a cidade de Candeias rodeadas de fábricas e indústrias, costumamos ainda viajar para outros estados em busca de trabalhos e novas oportunidades, porque as empresas existentes não dão prioridade aos moradores locais, mesmo com serviços mais inferiores, a porcentagem de trabalhadores locais é muito baixa, e assim, não nos orgulhamos tanto em fazer parte de uma cidade industrial como Candeias, esse mérito não nos enche tanto os olhos, mas enche os olhos dos políticos que se aproveitam disso tudo.

A Seguir vocês irão assistir um vídeo onde mostra o constrangimento que passa os moradores da Boca do Rio em Candeias ao ter de suportar produtos químicos exalados pela empresa Braskem, e principalmente em dias de limpeza da dos reservatórios químicos, essa empresa não tem um mínimo de respeito pelo ser humano, eles costumam fazer reuniões com os moradores locais afim de ganhar o povo com uma boa conversa e pelo que ouvimos de alguns desses moradores, até ameaça eles sofrem por parte dessa empresa.



é Crime, qualquer órgão, seja público ou seja empresas, etc... devastar a natureza, tipo: áreas de praias, matas, manguezais, ilhas, e outras semelhanças. 
Na Cidade de Candeias é grande o número de famílias que vivem da pesca como a exemplo dos distritos de: Caboto, Passé, Passagem, Madeira, Boca do Rio e alguns moradores da sede de Candeias, sem contar também com pessoas da cidade de São Francisco do Conde e ilha de Maré (Salvador) que utilizam a área de Candeias para extrair peixes e crustáceos. 

Natureza não se destrói, Natureza se preserva, existe códigos penais que podem ser aplicados nessas empresa que insistem em devastar a área de nossa cidade, basta cada um de nós procurar nossos direitos e nossas defesas.O ambiente é protegido pela Lei n.º 9.605 de 12 de fevereiro de 1998 (Lei de Crimes Ambientais), que determina as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente. 

Já imaginou essa lei sendo ignorada e deturpada por uma empresa de nome tipo Braskem? como não se daria o fim de tudo isso? pensa nisso Candeienses, podemos nos reunir em juízo e evitar que essa empresa continue destruindo o nosso ambiente natural, mas do que ela já destruiu por aqui com seus produtos malignos à natureza humana e à vida marinha, ao invés de nos trazer benefícios tem sido o contrário, somente malefícios. 

A Lei e seus artigos também podem aplicar penas em qualquer órgão que tentar impedir pessoas de frequentarem praias ou locais parecidos, tipo a Lei citada acima de Nº 9.605 tem um parágrafo no artigo 54:4 que diz: dificultar ou impedir o uso publico das praias; O Mais interessante, é o início do parágrafo 54, que diz: Causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos a saúde humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora: Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa.  

isso tudo que aguarda a Prainha no futuro, caso esse terminal da Braskem seja instalado, pelos produtos que serão transportados nos navios até o porto de Aratu por este terminal, o risco é alto, pois se vaza um desses produtos no mar, grande será o estrago, provocará mortes de peixes e de crustáceos, como temos presenciado nos distritos de Passé, aqui em Candeias, o certa vez no distrito de Caípe, em São Francisco do Conde, derramamento de óleo tal que até os dias de hoje a pesca em nossas regiões se encontra prejudicada e a reprodução de novos crustáceos encontra-se um pouco dificultoso pelo motivo dos efeitos deixados pelos produtos químicos nas praias. 

Ouçam em áudio o que tem a dizer dois vereadores da cidade numa entrevista feita por Resenha de Notícias onde mostra o vereador Calmon mostrando uma opinião indecisa e ao mesmo tempo contrária ao que ele tem dito nas sessões da câmara municipal a respeito da Prainha, mostrando ser a Prainha uma área não apropriada para banho, a Vereadora Marivalda mostrou-se fria e insensata ao responder sobre o tal projeto da empresa Braskem na Prainha, talvez a vereadora tenha esquecido das 15 famílias que moram nesta localidade, e que essas famílias não tem ganhado nenhum benefício quanto a trabalho. Mas, Ouçam o áudio da entrevista:


A Área da Prainha é uma área de proteção ambiental, pelo que presenciamos, os vereadores em maioria não estão se importando em defender a Preservação, mas, como vocês ouviram nesse áudio pelas palavras do próprio vereador Fernando Calmon, a Prainha não faz parte do Porto de Aratu.
A Vereadora Marivalda, que já foi vista tomando banho na Prainha, em sua vez descreve o balneário como uma área de difícil acesso, mas gostaria de fazer lembrar a Vereadora que, o Acesso à Prainha, é bem mais fácil de que o acesso que nós encontramos para chegar até a Prefeitura Municipal da cidade,  que fica numa área bastante difícil e entre os matagais, e principalmente para quem mora nos distritos, como se não bastasse achar fácil o trajeto para chegar até a Câmara de Vereadores, é como se fosse parar num fim de mundo. 

Não devemos ser tão ignorantes há ponto de explanar uma opinião vazia e sem fundamento para querer ser conivente a uma devastação ambiental, como a exemplo da vereadora, mas acho que a Senhora não tem noção de que há barqueiros que se deslocam dos distritos de Caboto e Passé para levar turistas e moradores da cidade para conhecer a Prainha, gerando assim, renda dos transportes para quem vive de fretes e carretos com seus transportes marítimos, tipo canoas e barcos, onde, além de transportarem pessoas, é utilizado também para transportar mercadorias e até mesmos materiais em geral, gerando assim, renda extra para barqueiros dessas regiões. é muita insensatez! mas atualmente a Vereadora se conscientiza mais e acha que o Balneário deve ser preservado, mas continua um pouco indecisa.

Moradores de Candeias, Não caiam em promessas enganosas concernente a geração de empregos, pois, a Refinaria e o Porto de Aratu sempre se esquivou em dá empregos aos trabalhadores de nossa cidade, como a exemplo da última obra do porto de Aratu, pela empresa Odebrecht, empresa envolvida na lava jato, onde foram grandes as promessas de trabalhos indiretos, e no final das contas, foram cancelados todos os fichamentos dos moradores de Candeias, na verdade, esse terminal da Braskem irá gerar poucos trabalhos indiretos pelo fato de abra ser pequena, e no final das contas, nós moradores sairemos de mão abanando, como sempre temos presenciado, moradores sentindo a necessidade de fazer viagens a trabalho pelo motivo de não haver oportunidades em nosso município. A Empresa Braskem nunca foi honesta com nós moradores desde que ela omitiu os impactos ambientais que traria ao nosso Balneário, e ao nosso povo, na verdade, ela quer apenas encher o bolso na ganância de ampliar o Porto de Aratu, e o que sobrar para nós moradores da cidade que seja resto, o importante para essa empresa é que ela se der bem em todas. Reage Comunidade!


Um Caso bem semelhante ao da Prainha está acontecendo numa cidade do estado de Santa Catarina, Cidade essa Chamada São Francisco do Sul. A instalação de um novo porto em São Francisco do Sul, entre as praias do Forte e do Capri, tem sido alvo de polêmica e discussão entre moradores, representantes de órgãos ambientais, sindicatos de trabalhadores portuários, empresários e políticos da região. 

De um lado, parte da população se mostra preocupada com as consequências ambientais e sociais que o empreendimento orçado em US$ 1 bilhão – cerca de R$ 3,13 bilhões pela cotação atual – pode trazer ao município. Do outro, há os que defendem o projeto por causa da expectativa de crescimento econômico, com geração de emprego e renda.

O local escolhido para a construção, a Ponta do Sumidouro, um local bastante procurado por surfistas e pescadores, é um dos principais motivos da discórdia. Com restingas e mangues praticamente intocados, ambientalistas argumentam que a área pode ser degradada com a instalação de um porto.
Para os integrantes do movimento contrário à instalação do porto, não é só o lado financeiro que está em jogo. Há preocupação em relação aos possíveis danos ambientais causados pelo futuro empreendimento. 
Conforme Anderson Peretti, presidente da Associação Comunitária da Enseada do Acaraí, os manguezais das praias do Forte e do Capri são um berçário natural de inúmeras espécies marinhas e serão muito prejudicados se o projeto de construção for autorizado.

– Imagina como isso aqui vai ficar quando começarem a construir o porto? Vão destruir um ambiente que demorou milhares de anos para se formar – argumenta Peretti, apontando para as placas de sinalização existentes no local, que indicam ser área de preservação permanente.

A presidente da Associação Movimento Ecológico Carijós (Ameca), Nilse Prim Borges, reforça que o impacto da construção de um empreendimento desse porte pode ser irreversível, pois vai mexer com todo um ecossistema.


Desde já somos gratos ao Deputado Marcell Moraes (PV) por estar nessa luta conosco, a minoria, e pode haver uma séria atitude por parte do Deputado contra o tal projeto e contra a ação do Governador Rui Costa. O deputado irá acionar na justiça o procurador geral da Bahia, Paulo Moreno, e por tabela, a questão atinge o governador. Moraes remeteu uma interpelação extrajudicial, cobrando explicações do procurador que, segundo o deputado, comete uma “série de erros”. “Vamos esperar até o começo da semana. Vou usar a tribuna da assembleia e caso não haja explicações, provavelmente vamos acioná-lo judicialmente”, disse Moraes ao Bahia Notícias. Uma Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) foi ajuizada pelo procurador-geral, afirmando risco à vida e à saúde de pessoas que frequentam a área. A ADPF também declara que a área está “encravada na Zona Portuária Consolidada”, o que justificaria a incorporação da praia ao porto. Para o deputado, a informação é equivocada. Segundo ele, o artigo 15 da Lei dos Portos, de 2013, que define uma nova poligonal do Porto de Aratu, não estabelece tal ligação. Moraes também argumenta que um decreto presidencial, de 2015, “não inclui a zona da Prainha, nas coordenadas do Porto Organizado de Aratu”. Fonte: Bahia Notícias

A Braskem é uma empresa envolvida na lava jato e responde judicialmente, assim como a sua companheira Odebrecht, e não é uma empresa com esse tipo de perfil que poderá nos amedrontar, esses tipos de ameaças vindas desta empresa em abandonar o Porto de Aratu não passa de sensacionalismo barato, e assim, vemos o que limite onde chega a ganância dessas empresas a ponto de querer retirar algo de nosso proveito, de nosso desfrute e lazer, sendo que a Braskem está faltando com Respeito às 15 famílias que residem nesta localidade, e a nós moradores dos distritos e da sede que frequentamos esse local. Vamos lutar com todas as nossas forças para que essa empresa não retire por total o que há de bom em nossa cidade, eles querem se apoderar de nossas áreas a fim de encherem seus bolsos, e nós moradores, não ter histórias mais para contar, porque essas empresas chegaram e encontraram um lugar belo como Boca do Rio e Caboto, onde há anos atrás, atraía quem visitava por suas belezas naturais, e vindo depois, essas empresas para mudar as nossas rotinas, sendo que, a Braskem, quer de qualquer forma que sejamos submissos a ela, assim como também os prefeitos e vereadores a até mesmo governadores, que fiquem todos submissos a ela, porque essa empresa está achando que tem todo o poder nas mãos, onde na verdade, administra um poder sujo, dinheiro mal ganho, às custas do povo Brasileiro, e será que essa empresa não se cansa de praticar tanta sujeira? A Prainha é nossa, não pertence a vocês, e com certeza, os vereadores que estão a favor desse Terminal ser construído, não é por causa de geração de empregos ou coisa parecida, eles estão preocupados com o que irão ganhar com isso, os vereadores de nossa cidade vivem desses procedimentos, e para saber dessa verdade, observem a cara da cidade de Candeias, olha o estado em que ela está há décadas, agora analise se o que estamos contando não é verdade? Acorda povo Candeiense, Acorda vereadores sem caráter, querem dinheiro vão acordar cedo e bater cartão e parem de querer ganhar dinheiros em suas jogadas às custas do povo, acreditamos na Justiça Divina, que breve há de vir sobre vocês, todos os vereadores que usam de má fé contra o povo de Candeias.

Earth Songs (Canção da Terra)


Tradução
E quanto ao nascer do sol? 
E quanto à chuva?
E quanto todas as coisas Que você disse que iríamos ganhar? 
E quanto aos campos de morte? 
Haverá um tempo E quanto todas as coisas? 
Que você disse que eram seus e meus, Você já parou para notar ?
Todo o sangue que nós derramamos antes 
Você já parou para notar?  Esta Terra está chorando, ela está chorando litorais  
O que nós temos feito para o mundo? 
Olhe o que nós temos feito 
E quanto toda a paz Que você prometeu a seu único filho? 
E quanto aos campos floridos 
Haverá um tempo 
E quanto todos os sonhos Que você disse que eram seus e meus?
Você já parou para notar Todas as crianças mortas com a guerra ?
Você já parou para notar? Esta Terra está chorando, ela está chorando litorais  
Eu costumava sonhar, Eu costumava olhar além das estrelas 
Agora eu não sei onde estamos Embora eu saiba que nós fomos longe. 
Quanto à ontem (E quanto a nós)?
E quanto aos mares (E quanto a nós)?
O céu esta caindo (E quanto a nós) ?
Eu não consigo nem respirar (E quanto a nós)? 
E quanto à apatia (E quanto a nós) ?
Eu preciso de você (E quanto a nós) ?
E quanto o valor da natureza ?
É o ventre do nosso planeta (E quanto a nós) ?
E quanto aos animais (E quanto a eles) ?
Transformamos reinos em poeira (E quanto a nós) ?
E quanto aos elefantes (E quanto a nós) ?
Temos perdido sua confiança (E quanto a nós) ?
E quanto ao choro das baleias (E quanto a nós) ?
Devastando os mares (E quanto a nós) ?
E quanto às florestas  Queimadas apesar dos nossos apelos (E quanto a nós) ?
E quanto à terra santa (E quanto a eles) ?
Dilacerada por ganância (E quanto a nós) ?
E quanto ao homem comum (E quanto a nós) ?
Não podemos deixar eles livres (E quanto a nós) ?
E quanto às crianças morrendo (E quanto a nós)?  
Não podemos ouvi-las chorar (E quanto a nós) ?
Onde foi que nós erramos  Alguém me fale o porquê (E quanto a nós) ?
E quanto aos bebês (E quanto a eles) ?
E quanto aos dias (E quanto a nós) ?
E quanto toda a sua alegria (E quanto a nós) ?
E quanto ao homem (E quanto a nós) ?
E quanto ao homem chorando (E quanto a nós) ?
E quanto Abraão (E quanto a nós) ?
E quanto à morte novamente?  Não damos a mínima.

Anúncio

Nenhum comentário: